Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Pianista, Início

Link para baixar a música do conto:

http://rapidshare.com/files/55945501/Vladimir_Ashkenazy_-_Scriabin-_Piano_Sonatas__Disc_2__-_03_-_Piano_Sonata_No.7_op.64.mp3



Na tentativa de controlar o meu medo, que me isola do mundo, comecei a escrever. Tudo começou no dia em que me encontrei com o pianista.
Aos doze anos eu e minha família éramos pessoas felizes Morávamos em um lugar pequeno e aconchegante eu, meus pais e uma irmã. Esta tinha cinco anos e ficava em casa com minha mãe. Eu ajudava meu pai com tarefas simples na fazenda antes de ir para escola.
A escola era longe de minha casa, grande parte do caminho era percorrido numa estrada de terra. No meio no caminho podia ser avistada uma grande casa abandonada, onde os fundos e as laterais eram cercados por grandes arvores, formando uma pequena mata fechada. Um portão de ferro bem trabalhado impedia a entrada de qualquer um ao lugar.
A vi logo na  primeira vez que estava indo para escola. Fiquei olhando para ela um tempo, parecia que ela retribuía o meu olhar, era assustador e incrível ao mesmo tempo.
Durante o jantar desse dia perguntei para o meu pai sobre aquela casa. Ele me encarou com um olhar serio e me alertou para que eu longe dela. Não mais perguntei pois sabia que ele não contaria nada e ficaria zangado.
Um dia quando estava voltando da escola resolvi ver a casa mais de perto. Quando passei na frente do portão fiquei olhando para aquela pequena estrada que levaria até a casa. Estava com medo. Depois de um breve tempo pulei o portão, não foi difícil. Comecei a caminhar lentamente, o caminho  era cercada por grande arvores que me cobriam formando um túnel com pequenos raios de luz passando entre as folhas.
 Uma casa de madeira. Tinha uma varanda e uma grande porta. Estava um silencio assustador não se podia escutar nenhum pássaro ou o barulho do vento nas folhas. Subi lentamente os dois degraus para a varanda. Parei em frente a porta, fiquei imóvel por um tempo.
De repente comecei a ouvir um som de piano, um som agitado que me fez sentir um calafrio. Quando dei conta de mim estava empurrando a porta para entrar na casa, não estava trancada, empurrei-a lentamente sem fazer barulho. Eu só escutava o piano. Abrindo a porta ganhei a visão de uma sala de escadas, havia uma escada em curva nela e a direita tinha passagem para a sala. Fui em direção à escada, seguindo a música. Lentamente fui subindo a escada, eu já não sabia o que estava fazendo direito, aquela música era fantástica, tinha uma doçura amarga.
Quando cheguei ao fim da escada fiquei de frente para um cômodo, estava com a porta aberta, o som do piano estava vindo de lá eu tinha certeza. Fui caminhando lentamente para a porta aberta, antes de chegar até ela já pude ir vendo o que tinha dentro do cômodo. O piano começou a se revelar, lentamente ele foi entrando no meu campo de visão, parecia que ele vinha até mim e não o contrario. Junto com o piano começou a aparecer o homem que estava o tocando. Um velho, o pianista. Entrei no cômodo e pude ver tudo, só havia o piano e o pianista nele. O piano e o pianista estavam todos comido por cupins e cheio de poeira. Ele estava de costas pra mim.
Não conseguia parar de olha para eles. Aquela música que entrava em meus ouvidos era um misto de nostalgia e prazer. O pianista parecia não perceber que eu estava ali, ele só tocava. Parece que fiquei uma eternidade escutando ele tocar.
De repente ele cessou-se de tocar e começou a virar-se lentamente. Seu rosto era, como todo o seu corpo, de madeira velha, já comida por cupins. Ele levantou as mãos, e soprou-as. Isso fez com que o cômodo enchesse-se de pó. Fechei os olhos rapidamente. Quando os abri de novo o pianista não estava mais lá, só o piano. Foi nesse momento que me dei conta de onde estava. Sai do cômodo correndo e desci as escadas, quase caindo nessa. A porta principal ainda estava aberta, sai por ela e corri pela pequena estrada sem olhar pra trás. Pulei o portão tão rápido que quase cai de cara do outro lado. Subi correndo a estrada e fui o mais rápido que pude até chegar em casa...

Idéia de A.S.R.
Recauchutado por M.R.O.


(Continua em O Pianista - Temor)
Sr Murlovisk
Enviado por Sr Murlovisk em 15/09/2007
Reeditado em 27/12/2007
Código do texto: T653042

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Sr Murlovisk
Sorocaba - São Paulo - Brasil
17 textos (1306 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 22:35)
Sr Murlovisk