CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

Fundo Sono – Um Conto Moderno da Bela Adormecida

“Risvegliami...
Il mio destino scelgo
Se riesco a resistere.”*

                    ~ “Senzafine”, de Lacuna Coil.


Era uma manhã escura e chuvosa e eu pensei que nada me tiraria da cama. Mas eu estava errado em pensar que descansaria no final de semana...
   Uma amiga veio até minha casa. Ela estava agitada e com uma aparência péssima. Falava sem parar como uma doida.
   — Você tem que me ajudar! Acredite em mim, não estou louca! – falou com olhos arregalados. Ela tremia.
   — O que houve? Não estou te entendendo... – meu olhar em direção a ela era cheio de interrogações.
   — São elas! São elas que estão fazendo isso comigo! Já não consigo dormir a três dias por causa delas! Todas enfileiradas!
   — Elas quem?
   Ela, com aqueles olhos mais arregalados e fazendo um breve momento de silêncio, parecia mesmo uma louca. Levou as mãos à cabeça, cerrou os punhos agarrando os cabelos. Então, seu rosto contorceu-se em raiva.
   — As malditas formigas!
   — Formigas? – perguntei com olhos esbugalhados, tal como ela fazia.
   — Sim! Elas estão roubando meus comprimidos! Por favor, venha à minha casa que te mostrarei.
   Chegamos a sua casa. Ela correu para o quarto, eu ia atrás mais devagar.
   — Venha! – disse-me.
   Porém, quando chegamos, nada havia.
   — Eu não entendo! – disse confusa – Elas estavam aqui sim! Eu sei! Não estou enlouquecendo! Deixei apenas uma trilha de formigas mortas antes de ir a tua casa. No primeiro dia, quando eu peguei o frasco, junto com o comprimido saiu uma única formiga. Tirei e matei-a. Guardei o remédio na gaveta. No segundo dia, percebi que o vidro estava mais vazio e que eu não tomara todo aquele remédio. E hoje havia uma trilha roubando todos os comprimidos! É sério! Não é maluquice!
  Eu a olhei bem com pena e perplexo, sem acreditar bem em sua história. Não serei hipócrita, mas quase cheguei aos risos. Para mim, ela realmente estava precisando de ajuda, um acompanhamento psicológico e largar os calmantes e soníferos.
   — Bem, eu vou para casa, certo? Se você precisar, pode me ligar a qualquer hora que eu venho. À noite, te visitarei para saber como você está. Tente se acalmar, relaxar. Você não precisa dessas coisas...
   Falei de maneira a deixá-la mais segura e calma, com minhas mãos em seus ombros, o que aparentemente surtiu efeito. Ela parecia mais calma, com olhos mais serenos, porém molhados, calada e com uma expressão e um olhar perdidos. Abracei-lhe, dei um leve sorriso e fui embora.
   E feito como prometi. Mais tarde, já de noitinha, fui visitá-la. Quando toquei a sineta, ninguém veio me receber na porta, que não estava trancada. Ficou destrancada, do jeito que deixe quando saí de manhã. Entrei.
   — Olá, Laura? Sou eu, vim ver como está. Você está aí em cima? – gritei e não pude ouvir nenhum som como eco.
   Segui, então, para o quarto. E quando abri a porta, esbarrei em algo. Era um frasco, mas, para minha surpresa, havia uma formiga, e nele havia uma observação: “Não tomar em grandes quantidades. Consulte o médico para verificar a dosagem. Pode haver efeitos colaterais desconhecidos se houver super dosagem, além de convulsões, paradas cardíacas e até morte. Procurar socorro o quanto antes”.
   E lá estava ela, deitada sobre a cama, pálida, álgida e imóvel, bela como a própria Bela Adormecida. Ao seu lado, um outro vidro de remédio vazio. E agora ela viveria dormindo para sempre.

*Tradução: "Acorde-me... / O meu destino eu escolho / Se eu conseguir resistir"


(CaosCidade Maravilhosa, 22 de setembro de 2007. Este conto pertence ao meu projeto “Contos Surreais – Quimera & Senso”.)
Erick de Azevedo
Enviado por Erick de Azevedo em 21/02/2008
Reeditado em 23/02/2008
Código do texto: T869272

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Erick de Azevedo
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 26 anos
50 textos (5232 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/08/14 10:05)