Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Espelho

   

O espelho no fundo do corredor reflete ninguém ouve o que falo minha boca sem som algum muito tempo assim seco e suado transito de frio sem movimento aquele ser de cabelos desgrenhados e boca torta imita o que faço as mãos quase me alcançam cada vez mais perto um corredor  menor hoje do que ontem não sou eu sempre acreditei em dinheiro em viver intensamente sexo todos os dias perfumados e ricos a noite bela donzela de néon com olhos de raio laser ao fundo de um lago escuro no meio da mata o luar um brilho ácido de cristal vencer é preciso navegar não é preciso à noite a enfermeira espeta agulha e dói, dói morro de fome neste lugar só cinco refeições por dia tomar sol nunca história do bairro da Azenha lugar de pobre casamento abonado moça virgem de boa família desde menina minha guria não vou lá porque tenho  herança quando falar com o advogado pelo telefone no quarto ao lado com entrada no fundo do corredor vou ser muito rico empresário de sucesso e marketing contratado puta ela junto com aquele canalha nas Bahamas depois do que fiz por ela casa nova com torneira água quente carpete de vinil e tanque no quintal sonhos feito borboletas azuis depois da chuva espelhando sol acre a terra de perfume macho eu gosto de andar ao léu cavalo cachorro e macieira minha conta esvaziada a televisão traz programa do Ratinho mas não vejo patas e o rabo do gato preto só trouxe má sorte o presente junto com os besouros que zunem em meu ouvido a noite inteira sem tetos andam pela cidade enfim livres do terno e gravata então meu peito dessora em ondas do mar cada vez mais denso as mãos circundam sua cintura não tenho quem me dê alento crianças maltratadas e com fome o mundo não tem jeito minha irmã mentirosa quando diz eu louco ficou com minha pensão estou no ar pensando o juiz serve para coisa nenhuma não perdem por esperar em pedaços uma machadinha e um formão guardados no sótão e a bicicleta no porão e o espelho traz muita inquietação no fundo, fundinho, fundão....



Marluiza
Enviado por Marluiza em 19/05/2006
Código do texto: T158861
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Marluiza
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 72 anos
45 textos (1651 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 10:06)