Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

HISTÓRIAS DA MINHA VIDA - 2

  O 'SANTO ME PEGOU' 2.
.....CONTINUAÇÃO



Aqui em São Paulo, moramos no Jardim Santo Antonio, cidade de Osasco, por dois meses. Como o lugar era muito violento, abandonamos tudo e viemos morar na Vila Medeiros, zona norte da capital, onde estou até hoje.
Na época tinha sob a minha responsabilidade 13 irmãos menores e a minha mãe. Então, tratei logo de arrumar emprego e me coloquei como auxiliar de escritório (naquele tempo datilógrafo era “doutor”, além do mais, eu já tinha o colegial) na Eletroradiobras (que foi encampada pelo Jumbo, tornando-se, Jumbo-Eletro, hoje: Extra, Pão de Açúcar, etc.).
Como disse acima, a família era grande e o salário pequeno, então, quando deixava a jornada no escritório, trocava de roupas e fazia horas extras como carregador de caminhões, pois, trabalhava no armazém que abastecia todas as lojas da rede e, assim, ficava até dois dias sem aparecer em casa.
Um certo dia quando me deslocava para o Jaguaré (era lá o depósito), ali na Duque de Caxias, vi um individuo fardado de polícia e achei bonita a farda dele (era diferente da dos outros soldados que conhecia), corri até ele e perguntei o que ele era, ele me disse que era Policial Rodoviário, eu disse que também queria ser, ele então olhou para mil e sorriu, pedi-lhe o endereço e a muito custo ele me deu.
No dia seguinte fui até o endereço e para minha sorte as inscrições estavam abertas, me inscrevi; quando fui convocado para a prova vestibular, fui aprovado em todas as matérias com boas notas (afinal de contas eu tinha o colegial – era estudo avançado para a época e o DER exigia somente o ginasial; na Polícia Militar não era exigido nem o ginasial). Quando Deus ajuda, ajuda mesmo!
Para fazer a inscrição na Policia Rodoviária, era obrigatório um teste de aptidão física e tinha-se que passar pelo teste de medição, altura mínima 1,75. o Sargento seletor, com a ajuda de Deus, foi com a minha cara e mandou que eu ficasse na ponta dos pés para aumentar um centímetro, pois, na sua medição eu só tinha 1,74m, e assim, me aprovou.
Quando saiu o resultado geral do concurso e eu havia sido aprovado entre os primeiros colocados, na minha imaginação de baiano, achei que já era “polícia’ e abandonei o serviço de auxiliar de escritório. Passou uma semana, duas, três e nada do DER me chamar para vestir à farda e trabalhar (eu achava que era assim!)”.
Ai a coisa apertou, eu olhava para os meus irmão e via aqueles baianinhos magrinhos já quase chorando de fome, e como morávamos num sobradinho germinado, de um quarto e uma sala, a cozinha era tão pequena que se residisse na casa um casal e a mulher estivesse preparando a louça e o marido por lá passasse, com certeza ela engravidaria, então me desesperei com a situação. Na maioria das vezes, a dona Margarida (que Deus a tenha) que tinha um filho que trabalhava na padaria embaixo do nosso sobrado, dava-nos um saco de pães e assim a meninada matava a fome com pão e água. E foi nessa agonia danada que sai à rua em busca de emprego mas só encontrei placas nas empresas necessitando de um tal de “torneiro mecânico”, nossa! Como esse cara era difícil de se achar (não foi a toa que ele virou Presidente da Republica) , pois as empresas de Osasco, estavam procurando por ele. Ai, Deus, entrou novamente no circuito e me mandou até a Eletroradiobras (o meu local de trabalho), cheguei lá para trabalhar e os guardas não deixaram eu entrar, porém, me mandaram para o tal de departamento pessoal e depois de uma grande espera, me chamaram e me deram um cheque de mil e tantos cruzeiros, oh! meu Deus, chorei de alegria, eu não sabia que quando a gente deixava o emprego tinha que receber dinheiro de um tal fundo de garantia, férias, décimo terceiro, horas extras, saldo de salário e outras coisas. Eu fiquei tão feliz com o dinheiro que ia matar a fome dos meus irmãos que beijei a mão do “Seu” Geraldo quando ele me pagou. Ainda lembro quando ele me disse: menino cuidado no Banco do Brasil pra não ser roubado.

RAYSAN
RAYSAN DE SOUZA
Enviado por RAYSAN DE SOUZA em 08/07/2006
Reeditado em 29/09/2013
Código do texto: T189781
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
RAYSAN DE SOUZA
São Paulo - São Paulo - Brasil
235 textos (45011 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:25)
RAYSAN DE SOUZA