Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Conto sem Sorte

Em um tempo não muito distante, um monge tibetano resolveu disciplinar... Acompanhado do mais quieto discípulo, decidiu sentar ao pé do monte e atirar ao vento algumas queixas enquanto o pequeno aprendiz atirava ao vento algumas pedras... Sentados a beira do penhasco o pequeno ouvia sereno o monge que por alguma razão queria desabafar e descarregar o fardo do infortúnio azar.

“ Sorte daquele que conhece a trapaça... Com sorte, Saberia elucidar um traidor...”
O discípulo nada disse e apenas atirou uma pedra morro abaixo.

“ Sorte daquele que conhece a volúpia... Com sorte, Saberia desencantar um pecado...”
O pequeno tibetano sem pressa jogava mais uma pedra.

“ Sorte daquele que conhece a desgraça... Com sorte, Saberia enaltecer um desesperado...”
Apesar do seu descaso, o discípulo sabia que estava sendo testado. Antes de lançar a pedra pelo abismo, sucumbiu em dizer algo, mas diante daquela imagem sábia, temeu como sempre ser precipitado. E por isso trocou suas palavras pelo silêncio e seus pensamentos por mais uma pedra atirada ao vento.

“ Sorte daquele que conhece a ilusão... Com sorte, Saberia transformar a realidade...”
Mais uma pedra jogada ao penhasco que como todas, tinha um destino certo porém curto!

“ Sorte daquele que conhece o amor... Com sorte, Saberia acreditar na vida...”
O monge prolongou a pausa, fatigado. Mas ainda não sabia se o pequeno discípulo tinha entendido a importância da sorte como parte da sabedoria. E olhando pacientemente o pequeno, certo da quietação daquele jovem ainda brincando com a pedra e o próprio aprendizado, nada esperou ouvir.

“ Sorte é o que não temos por muito tempo.”
Finalmente disse o discípulo segurando a pedra da vez na mão.

O monge se surpreendeu com a conclusão do pequeno discípulo. Concordou com um sim por gestos com a cabeça. Curioso, perguntou porque ele não jogou aquela pedra... se a cada frase que ditava, o pequeno lançava uma para o abismo. O jovem discípulo apenas disse que foi vendo a rapidez com a queda da pedra e não o fim que havia destinado a ela, é que fez perceber o quanto a parábola da sorte tinha a ver com a pedra. Disse que a sorte era um belo destino porém era uma pena não poder pertencê-la por muito tempo... e finalizando sua frase, tentou jogar a pedra e antes que pudesse conseguir, o monge tibetano agarrou firmemente a pedra entre suas mãos e disse:

“Mas saberia muito menos se tivesse medo do pouco que tenho...”
O discípulo finalmente aprendeu sua lição.
A sorte pode ser passageira. Saberia melhor disso, aquele que não teme a própria sorte...


Gita Habiba
Enviado por Gita Habiba em 04/08/2006
Código do texto: T209138

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Gita Habiba). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Gita Habiba
Guarulhos - São Paulo - Brasil, 39 anos
305 textos (101408 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 08:20)
Gita Habiba