Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Funeral

A família e amigos do morto acompanhavam, a pé, o carro fúnebre. Entraram no cemitério. O carro parou e vários homens se dispuseram a carregar o caixão, que se encontrava aberto dentro do veículo. O tio Vicente se esquivou de carregar peso alegando dor nas costas. O caixão  aberto mostrava o defunto de bruços que exibia uma basta cabeleira negra despenteada, camiseta branca e calção azul escuro. Parecia estranho que alguém fosse enterrado assim, será que eles não deveriam colocar um terno?...Será que não tinham dinheiro para isso? Juliana, a filha caçula, fazia-se estas perguntas quando vê o pai se levantar do caixão e sair. Como pode? Ele já não estava morto há vários dias? Como ele fará agora? Mãe já jogou fora todos os documentos e roupas dele. Mas o "morto" parecia que não via nada do que estava acontecendo ao seu redor. Ele continuou caminhando em direção á saída do cemitério de mãos dadas com uma criança. A filha caçula olhava aquilo de boca aberta e não entendia porque ninguém falava nada e continuava como estava. Notou que a irmã mais velha entrava pelo cemitério com a filha no colo. "Quero só ver a reação de Filomena quando presenciar nosso pai caminhando para fora do cemitério!", pensou a caçula. Mas a irmã mais velha passou pelo pai sem vê-lo. E o pai foi-se embora sem que ninguém o detesse ou sequer percebesse. Juliana olhava a todos com os olhos arregalados e percebia que cada um continuava como se nada tivesse acontecido. Na verdade, para eles tudo estava do mesmo jeito. A única que presenciou a cena do pai "morto" sair andando foi a caçula e todos acharam que ela estava um pouco perturbada pela morte e disseram apenas que ela devia descansar...
Sam
Enviado por Sam em 11/09/2006
Código do texto: T237992
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sam
Angra dos Reis - Rio de Janeiro - Brasil
212 textos (20690 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 23:08)