Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A PRISÃO DO AMOR



20/12/05


Ela era tão doce, tão pura, tão iluminada, que eu mesmo julguei que ela também fosse um anjo, como eu.
Eu sentia os seus pensamentos, adivinhava as suas vontades, e quis preenchê-la com meu amor, ou o que eu julgava que fosse Amor.
No início, ela se encantou com minha atenção, meus cuidados e carinhos, mas sem perceber, eu fui querendo dela mais do que ela mesma tinha a dar, e eu não entendia porque ela não me correspondia mais como antes.
Não podia aceitar que ela se distanciasse de mim, que sequer pensasse em não mais ser feliz ao meu lado, ou não quisesse mais me fazer feliz.
Como um viciado, eu precisa constantemente e cada vez mais dela.
Foi então que, no meu desespero, passei a prendê-la, tentando desesperadamente segurar seu amor, como um pássaro numa gaiola.
E fomos assim fenecendo, ela com medo, eu com ódio... e ambos nos destruindo mais e mais.

Lágrimas de sangue.

ANJO ZERO
Edilene Barroso
Enviado por Edilene Barroso em 21/09/2006
Código do texto: T245430

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Edilene Barroso
Campinas - São Paulo - Brasil, 53 anos
192 textos (21457 leituras)
12 áudios (4784 audições)
5 e-livros (337 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 00:35)
Edilene Barroso