Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sonhos.

Não durmo faz 3 dias. É muito ruim tentar dormir e não conseguir, não sei mas o que fazer. Bebi todas que pude ontem em uma festa, mas mesmo assim o máximo que consegui foi deitar na cama e ficar pensando que poderia fazer para dormir. Há três dias que o céu está nublado, muito cinza mesmo. Daqueles dias em que postes ficam acessos o dia inteiro. Isso me deixa perturbado. Me lembra todas aquelas coisas ruins que acontecem nos livros de terror baratos, onde tudo é nebuloso. Ando pensando demais no mundo, não era muito de fazer isso. Eu desprezava aquelas pessoas que na época do colégio ficavam refletindo sobre a vida, no planeta, com aquelas caras de sabidas e com desprezo pelo resto que não seguia seu pensamento. Hoje sou uma delas, nem acho isso bom também.
Tenho mais anos do que qualquer trem de alta velocidade que existe hoje em dia. Mas mesmo assim me acho um babaca. Se você tiver lido os jornais nos últimos dois anos você também deveria estar assim preocupado com o mundo. A água potável está acabando. Pessoas cada vez mais revoltadas e em guerras. Mesmo tendo comida para trilhões de pessoas só metade do planeta come algo todo dia. Desmatamentos, matanças, queimadas, poluição, violência. Enfim o mundo está perdido. Só que ainda pensamos que podemos salvar ele. Os porcos capitalistas acabaram com a Terra.
Parece discurso utópico ou coisa de um ambientalista, mas odeio os dois tipos. Dei-me conta disso depois que perdi meu emprego e comecei a ter tempo para viver com o dinheiro que recebi de indenização por quebra de contrato e a demissão. Desde então fui perceber o quanto o mundo está acabado.
E nós fazemos de tudo para acabar com o resto. Outro dia joguei uma lata de refrigerante no chão. Depois, já em casa li no jornal que uma lata pode durar milênios e tem a capacidade de poluir um mar inteiro com toxinas e me senti tão culpado que saí a procura da lata que tinha largado pela rua, mas não achei. Fiquei sem dormir aquela noite. E muito preocupado com minha saúde mental. Pensei "Pô, todos fazem isso todos os dias por que eu tenho que me sentir culpado?"
Alguns dias depois fui até uma igreja para tentar resolver minha questão moral, mas não surtiu muito efeito. Passei a evitar tais recintos desde então.
_ Seu padre, tenho andado muito preocupado ultimamente. Cometi um delito muito grave...- fui interrompido bruscamente por ele.
_ Cometeu algum pecado grave meu filho?
_ Não bem um pecado padre, mas.. - o infeliz nem deixou eu acabar de falar.
_ Desobedeceu algum mandamento do Deus Pai?
_ Não, na verdade não sei quais são os manda... - cara ele estava realmente me irritando.
_ Traiu sua mulher, roubou de alguém, invejou algo?
_ Não.
_ AH! Meu filho pode ir em paz que nenhum pecado vejo em você. - pensei "Porra parece aquele verdinho do filme"
_ Mas padre! Eu joguei uma lata de refrigerante no CHÃO!
_ Meu filho isso não é pecado. Somente...
Sai e deixei-o falando sozinho, achando que Deus está muito errado. Em pensar que jogar latas no chão não é pecado. Estamos acabando com a criação dele descontroladamente e ele não acha isso pecado? Deus está errado. Isso eu posso dizer com certeza. Perdoem-me os religiosos.

Três dias. Dormir é uma dádiva. Por favor, você que está lendo DURMA todo o tempo que puder dormir ou conseguir. Estava tão desesperado para dormir que fiz a última coisa em minha lista de "coisas a se fazer para conseguir dormir" e tomei um calmante. Na verdade foram logo 3. Não queria ter a chance de tomar um remédio e não sentir o efeito. Mesmo sendo contra- indicado na bula. Sim eu li a bula.
Pensando o porque de eu não recorrer a esse artifício antes né ? Bom não devo explicações a ninguém mas falo que remédio é sempre a última opção. Finalmente em alguns minutos eu consegui dormir.

Acho que estou dentro do meu sonho. Mas de uma forma consciente disso. Sentir os sonhos de uma forma material é na verdade a coisa mais estranha que já tinha experimentado depois de transar pela primeira vez. Sonhos reais. É como todo mundo já sonhou um dia. Um sonho tão real que pode-se lembrar detalhes impressionantes e "reais".
Tudo por aqui é acentuado. Nossa que situação.
Consigo ver coisas que normalmente não existem. Sentir aromas que seriam impossíveis antes. E também fazer coisas que não são certas. Meus sonhos são depravados. Nunca pensei que pudesse pensar coisas assim, indescritíveis. Quebram todos os padrões de moral que existem. Deixariam chocados os mais liberais de tal forma a parecerem os mais conservadores. Crianças pelas ruas fazendo coisas que deixariam qualquer adulto boquiaberto ou ainda freiras e padres liberando seus desejos reprimidos pelos votos, mas coisas que nem eu pensaria em fazer nem qualquer mulher que trabalha na vida.
Fiquei primeiramente chocado, mas depois fui entender que no meu sonho, lá dentro, eu compreendia o mundo do lado de fora. Nos sonhos a realidade é mais real do que do outro lado. Somos seres com relacionamentos tão complexos e cheios de nuances que nunca vamos conseguir compreendê-los.
Mas logo me acostumei ao meu sonho e sabia que nada daquilo podia ser o certo, o real. Não sei quanto tempo passei lá dentro, mas sei que não conseguia sair. Minha impressão é de que anos se passaram e que eu ia querendo algo mais. Meu sonho não era mais o meu objetivo. Compreendi que nossos sonhos só servem para impulsionar a gente e que depois disso eles se
tornam um nada pois quando atingimo-nos eles deixam de ser e passam a nada. É quando nós atingimos certo ponto onde passamos a adotar novos sonhos, mais altos.
Cara como eu tô escroto falando essas coisas. Nunca pensei que pudesse falar isso. Pareço um Nerd da mesa do canto da sala que se acha o filósofo. Arg ! Que nojo. Nem pareço o cara que era o maioral em todos os esportes e sempre tirava a medalha de ouro nas Olimpíadas do primário.
Percebi que estava preso em meu sonho e não tinha escapatória. Esse é o efeito de não dormir por 3 dias e depois cair num sono forçado ? Estava em apuros, não conhecia ninguém e não tinha telefone em casa, nada para me acordar. Estava frito. Ia ficar preso do meu próprio sonho? Para sempre?
Eu e meus sonhos depravados por todos os lados. A medida em que o tempo ia passando fui constatando o quão eles eram egocêntricos. Só sonhamos com algo em que nós estamos metidos. E só em relação aos nossos mais profundos sentimentos, ou seja, sonhamos para nós mesmos. Fiquei muito instigado. Por mais louco que ele seja com certeza tem a ver com os seus
sentimentos. Mas aconteceu algo muito mais instigante.
Comecei a sentir sono. Dentro do meu sonho. Era uma vontade irresistível de dormir. Acabei sonhando com a casa dos meus sonhos, muitas mulheres nuas, ninfetas peladas, rios de dinheiros, tudo do bom e do melhor, bebidas e cigarros. Eu até certo ponto odiava sonhar com coisas tão banais, mas já que estava ali não me prendi a pensamentos filosóficos. Depois de um
passeio pela minha nova mansão fui dormir. Deitei na melhor cama que tinha experimentado até então e adormeci. Profundamente. E sonhei...

Se eu já estava em apuros preso no meu sonho, imagina o que eu pensava preso no sonho do meu sonho? Realmente não tinha palavras. Não conseguia falar, pois não seria ouvido. Esse segundo sonho era de uma dimensão muito maior e abrangente e que eu não significava nada dentro dele. Achei por instantes que era um sonho coletivo, algo muito querido.
Percebi logo que esse segundo "estágio" como chamei era muito mais amplo. Sonhava com sentimentos também, mas sentimentos que envolvem toda a raça humana e não só os meus. Percebia que o amor estava longe da Terra, e que o egoísmo e o ressentimento dominavam cada vez mais as pessoas. Que tudo estava indo para um caminho escuro. Achei que sabia muita coisa
mas na verdade só constatava a realidade de minha vida, de meu mundo.
Estava assim sonhando com todas essas coisas essências da raça humana e de repente fui sugado para cima. Um puxão com força para mover montanhas. E em alguns segundos me vi acordado em minha cama, chapado do remédio ainda. Estava completamente ruim. Via minha imagem refletida no espelho mais embaçada que o espelho suado quando tomamos banho quente por muito tempo com portas fechadas.
Enjoado e com ânsias de vômitos que vinham da minha alma levantei, fui até a minha velha geladeira branca-encardida, abri, peguei uma longneck gelada que me fazia tremer de frio ao segurá-la e dei um gole profundo. Percebi que era manhã. Do dia seguinte. Dormi profundamente e sonhei com coisas loucas. Lembrava-me de tudo o que tinha sonhado e parecia que era alguns anos mais velho. Sensação estranha aquela. Pensei em escrever um livro sobre isso, mas não sei escrever então fiz essa nota para me lembrar desse sonho até eu morrer, pois ele marcou-me.
Não. Não sou viado, mas esse troço realmente me marcou.
Fui até a rua comprar meu jornal de sempre, e voltei para o meu recanto. Na verdade era uma espelunca, mas dava para o gasto. Sentei e li todo o exemplar do dia, mas só consegui ver matanças , queimadas , poluição , violência e corrupção de novo. Tive certeza de que ainda estava sonhando, e desejei acordar, pois sabia que o nosso mundo é um sonho ruim que está
prestes a acabar. Só nos resta acordar enquanto não seja meio tarde. Mas acho que o nosso sono está profundo demais para acabar, e senti pena. Olhei pela janela, carros passavam, pessoas andavam apressadas, todos com pensamentos voltados para eles mesmos. Ninguém percebia que o mundo acaba lentamente ao nosso redor. Realmente senti pena. Não deles, mas do mundo.
leandroDiniz
Enviado por leandroDiniz em 02/07/2005
Código do texto: T30343
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
leandroDiniz
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 34 anos
260 textos (273077 leituras)
3 e-livros (430 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 01:52)
leandroDiniz