Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Situs Inversus

Vejo minha vida.

Nasci ao contrário.

Não quero apenas dizer que nasci de bunda invés de cabeça. Isso também aconteceu, mas não foi somente em relação que nasci ao contrário. Sofro de situs inversus, todos meus órgãos situam-se conforme um espelho de um organismo normal. Sofri um pouco até descobrir isso. Meu coração, estando do lado direito do peito, causou susto quando fui a um médico pelo que me lembro pela primeira vez. Eu tinha treze anos, nunca tinha ido a um médio, era um menor abandonado, ainda sou abandonado, apenas cresci. Ele fez alguns exames de rotina, língua, garganta, aaaaaaaaa. Tremi quando ele encostou pela primeira vez aquele estetoscópio gelado nas minhas costas. Tremi quando o encostou no meu peito, continuava gelado. Tremi quando vi a cara de pavor do médico. Ele guardou o estetoscópio e me olhou com uma cara estranha. Sentia um sentimento escorrer por seus olhos, algo que não entendia. Ele tinha dó, achou que eu estava fadado a morrer jovem de uma doença desconhecida.

Nada mudou, continuei na rua. Entrei para o crime, como todos os garotos da minha idade. Mas a imagem daquele médico sempre me acompanhou. Decidi que iria viver cada dia como se fosse o último, já que qualquer dia poderia ser o último. Virei o melhor marginal do morro do osso. Como a morte não vinha e eu já estava chegando aos trinta anos, resolvi parar. Assumi uma boca de fumo e fiquei vivendo tranqüilamente. Tinha até vontade de sair do crime. Com o dinheiro que tinha podia abrir um bom negócio honesto. Sempre quis ter uma padaria.

Um dia, muito mudou. Sentia fortes dores do lado direito da barriga. Fui parar na emergência de um hospital público. Apendicite, estourou, vamos operar logo, disse alguém. Abriram, mas não acharam nenhum apêndice e as dores eram provenientes de cólicas intestinais. Não sei quem foi, talvez um médico mais aplicado descobriu que eu fazia parte de um seleto grupo de pessoas, 0,01% da humanidade mais precisamente, que tinha essa particularidade chamada situs inversus. Tudo fez sentido. A incompetência do médico que me examinara aos treze anos, talvez tivesse sido um presente, que me fez prosperar na vida.
A vida continuou e eu não abri meu negócio. Continuei vivendo da boca de fumo, até que alguém viu que o lucro estava grande e resolveu que queria aquilo para si. Bang, bang, bang três tiros no meu peito, lado esquerdo, onde seria o coração. No meu caso sofri apenas perfurações no pulmão esquerdo, o que dificultou por algum tempo minha respiração e ocasionou algumas pneumonias, mas tudo recuperável. Minha fama aumentou. Diziam que eu tinha o corpo fechado, pacto com o demo, talvez o próprio coisa-ruim. Aproveitei e aumentei meu domínio. O morro do osso ficou pequeno, assumi todo o império das drogas da capital. Virei figurão. Contato com políticos, conta na Suíça, viagens para o exterior.
Tudo isso passando em frente aos meu olhos neste momento enquanto estou em uma praia da riviera francesa deitado na areia, sufocando com água e um salva-vidas fazendo massagem cardíaca do lado errado.
Sitrucian M
Enviado por Sitrucian M em 17/11/2007
Reeditado em 04/02/2017
Código do texto: T740657
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Sitrucian M
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
23 textos (1813 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/08/17 19:50)
Sitrucian M