Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Caso Vivaldi (16)

Dominique entra no quarto de Franco e vê o irmão com uma cara triste.
                                     - O que aconteceu? Pergunta a irmã.
                                     - Mais uma discussão com o papai.
                                     - O que aconteceu?
                                     - Dá uma olhada no plano de fundo do meu monitor, ele tirou uma conclusão precipitada.
                                     - Mas ele sabe sobre essa questão.
                                     - Mas viu a foto ele pensou uma coisa errada, eu não tenho nada com o Diego, foi uma brincadeira do momento em que estávamos em um parque com umas amigas.
                                     - De qualquer maneira ele é o nosso pai e vocês não podem brigar tanto e ficar sem se falar.
                                     - Bom, já que ele não demonstra carinho por mim eu retribuo da mesma forma.

                                      Naquela tarde Mariano e Heloísa obviamente foram parar na cama e se amaram por horas, tanto que adormeceram depois e só acordaram na hora do jantar. O casal foi comer fondue em um restaurante na  Rua Mitre, a principal de Bariloche. Depois do jantar uma caminhada em frente ao lago e uma passada nas lojas que ainda estavam abertas. Foram para o hotel e foram assistir a um filme no quarto, pediram para que entregassem um vinho para acompanhar o filme.
                                      - Já disse o quanto estou feliz de estar aqui com você? Perguntou Mariano.
                                      - Não é preciso falar, sua expressão no avião já dizia tudo.
                                       - Essa viagem é apenas o começo, quero ir para a Itália e Espanha com você.
                                       - Já está planejando viagens? Você não perde tempo mesmo.

                                        Na manhã seguinte o casal toma o café-da-manhã e vai as compras, Heloísa compra roupas de frio para seus pais e uma japona para si mesma, Mariano compra roupas para a irmã, compra um livro de fotografia para o irmão e outros presentes para seus pais, até para sua mãe ele compra alguma coisa, mesmo que ela não mereça nada. Compraram também muito chocolate para levar pra casa. O almoço aconteceu no restaurante Alberto, o proprietário tem dois restaurantes, um de carnes e um de massas, o casal foi almoçar no restaurante de massas. Lá no estabelecimento puderam assistir o nhoque que pediram ser feito, era muito interessante assistir a comida ser produzida enquanto espera por ela.
                                         
                                        No escritório de Matias o telefone toca, é o Sr. Flávio, do condomínio.
                                        - Boa tarde Dr. Matias.
                                        - Boa tarde Sr. Flávio.
                                        - Eu me recordei do nome do entregador, o nome dele era Fernando e trabalhava para a TGF Entregas. Foi ele a última pessoa a ser vista no condomínio.
                                        - Muito obrigado Sr. Flávio, tenho certeza que essas informações serão de extrema importância na investigação.
                                        - Fico feliz em poder ajudar, quando precisar de novo pode aparecer aqui em casa.
                                        - Com certeza. Tchau Sr. Flávio, passe bem.

                                        Nesse momento Matias começou a tentar ligar as evidências, o isqueiro, o número do telefone encontrado no quarto de Mariano, tudo começava a se encaixar. Matias resolveu ligar para a empresa atrás do tal Fernando e foi informado que ele havia pedido demissão há pouco tempo e nunca mais pisou na TGF. Matias perguntou se eles ainda possuíam o endereço e o telefone dele, o funcionário disse que eram informações confidenciais, mas Matias disse que era delegado e que o ex-empregado era suspeito em uma investigação, depois de Matias se identificar como autoridade o funcionário passou os dados solicitados, Matias agradeceu e desligou. Procurou em sua gaveta o papel que pegou no quarto de Mariano, os números de telefone eram coincidentes.
                                        - Aprontem-se cavalheiros, vamos fazer uma visita ao Fernandinho amanhã – disse Matias.
                                       
                                        Na mansão Vivaldi, Madalena está cada vez pior, o tumor está acabando com ela.
                                        - Acho que nós deveríamos fazer novos exames – disse Marco.
                                        - De nada adiantará, fiz todos possíveis, o médico da família não iria mentir para nós.
                                        - É que eu acho muito estranho esse câncer surgir assim.
                                        - Nossa vida ficou cada vez mais difícil com a morte de Henrique, o câncer veio como resultado disso tudo, temos que nos conformar.
                                        - Deve ser isso.
                                       
                                        Mais uma vez o casal acordou bem cedo, o passeio seria para Piedras Blancas, onde fica o famoso Ski-bunda, o local é realmente fantástico, tem várias pistas para a diversão e todas elas contam com diversas curvas, Mariano e Heloísa foram não pararam um segundo, eles ficaram com passes de duas pessoas que desistiram, cada um tinha dois passes, deu para  se divertirem muito, em um momento quando acabou a pista, Mariano se levantou, mas logo foi derrubado por um cara que veio atrás dele e sem conseguir parar lhe passou uma rasteira, Heloísa que estava tirando foto de Mariano fez um vídeo com a câmera digital e riu muito da cena, que foi hilária. Piedras Blancas tinha um estabelecimento para quer quiser beber ou comer algo. Os dois chegaram esgotados ao hotel e foram para o quarto cochilar um pouco, acordaram a tardezinha, foram jantar em um restaurante chamado Família Weiss, pediram uma massa cada um, uma garrafa de Malbec e apreciaram a música ao vivo do ambiente.

                                           A campainha do apartamento de Fernando toca, o próprio atende, é Matias.
                                           - Bom dia – disse o delegado.
                                           - Bom dia. Eu conheço o senhor?
                                           - Provavelmente não, eu sou o delegado Matias Campos.
                                           Nesse momento Fernando suou frio e se lembrou do crime que cometera naquela noite, mas continuou frio na conversa.
                                           - Posso ajudá-lo em algo?
                                           - Acho que você será de grande ajuda. Você lembra da noite em que foi fazer uma entrega em um condomínio de classe alta aonde ocorreu um assassinato.
                                           - Acho que lembro do local. Mas como você sabe que eu estive lá trabalhando?
                                           - Um morador de lá me contou, ele disse que você foi a única pessoa que foi vista por lá aquela hora.
                                           - Eu sou um simples entregador, não moro no condomínio.
                                           - Bom, se você não lembra de mais nada eu volto em outro dia, você é uma peça importante no caso que eu investigo.
                                           Antes de sair Matias viu um jornal aberto na parte de classificados na seção de empregos.
                                           Saindo do prédio viu um homem estacionar um Golf GTI Turbo e entrar no mesmo prédio onde estava.
                                            - Avisa ao Fernando que eu to subindo pro apartamento dele – disse o tal homem ao porteiro.
                                            O porteiro interfonou no apartamento e falou que o amigo dele já havia voltado com o carro. Matias imediatamente perguntou ao pobre trabalhador:
                                             - Esse carro aí na rua é do Fernando, morador do prédio?
                                             - É sim, ele comprou zero km.
                                             - Muito obrigado por esclarecer minha dúvida.
                                             Matias chegou ao escritório e foi conversar com Orlando.
                                              - Você já viu algum entregador desempregado com um carro zero de quase 100 mil reais?
                                              - Só se o entregador fosse o dono da empresa disfarçado.
                                              - Estou com quase certeza de que esse cara ganhou uma boa grana pra executar algum serviço, roubar, desviar dinheiro, até matar.
                                              - Ele pode ter herdado uma grana do pai, do avô, sei lá.
                                              - Não passa uma idéia dessas pela minha cabeça.
                                              - Vamos ter que consultar o Sr. Flávio de novo – disse Orlando.
                                              - Talvez não precisemos.
                                             
                                              Em Bariloche acontece o último passeio do casal, os dois vão esquiar em Cerro Catedral. Durante a aula de esqui Heloísa e Mariano caem várias vezes, fizeram da aula um momento hilário, até o instrutor riu dos dois, mas depois já estavam esquiando direitinho. Cerro Catedral tem uma vista fabulosa do lago, tem um lugar para comer e descansar. Perto de ir embora o casal resolveu tirar fotos com a vaca da milka postiça que tinha por lá.
Farah
Enviado por Farah em 30/10/2006
Código do texto: T277662

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Farah
Curitiba - Paraná - Brasil, 30 anos
93 textos (7304 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 10:19)
Farah