Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

"Qui nem nóis"

“Qui nem nóis...” - Conto.

  Barbosa era um sujeito bem falante, rosto redondo,  simpático, estatura mediana, um pouco acima do peso e quase sempre usava roupas claras. Quando o conheci prestava serviços no 1º DP em Santos/SP, no chamado “Palácio da Polícia”que fica na região central da cidade de Santos/SP. Tratava-se de um prédio de cinco andares que abrigava também a Cadeia Pública nos dois últimos pavimentos, sendo  o 5º andar destinado  aos detentos mais perigosos. A vizinhança é constituída de bares, lanchonetes, lojas das mais variadas, estabelecimentos especializados em despachos policiais e até uma escola pública das mais tradicionais.Hoje o presídio foi desativado, somente funcionando a Delegacia e a parte administrativa da polícia.

Estudantes de Direito, eu e mais um grupo, cumpríamos expediente diário numa sala contígua ao Cartório da Delegacia que ficava no 3º andar, como parte do estágio na disciplina de Processo Penal. Nossa atividade consistia em prestar assistência jurídica gratuita  aos detentos, requerendo transferências, elaborando “Habeas-Corpus”, recursos e as demais medidas judiciais e administrativas cabíveis a cada caso, tudo sob a supervisão do professor da matéria. Na verdade o professor somente julgava o nosso desempenho, pois quem nos auxiliava, acompanhava, dava “dicas”, fazia a triagem dos processos, etc. era o  Barbosa. A ele devíamos o bom desempenho que estávamos tendo na prática do processo penal. Ele era uma “fera”, sabia tudo e nos foi de grande valia durante aquele  período.   Como se dizia na época: “Era uma mão na roda”.

Um belo dia fomos comunicados, durante uma reunião com o Delegado Seccional, que no dia seguinte iríamos conhecer o famoso “quinto andar”. O local consistia numa série de celas dispostas lado a lado, ao longo de um corredor e nós teríamos permissão para conversar e entrevistar os presos, desde que guardássemos uma certa distância das grades...

A visita - para nós “a aventura”- transcorreu  calmamente. Os “internos” nos receberam com interesse e   uma certa curiosidade, além de mostrarem-se alegres pela quebra da rotina. Ademais, aproveitaram a oportunidade para fazer pedidos envolvendo cigarros, material escolar, lápis, papel e envelope para cartas, além de -  é claro - selos. O que foi surpreendente na entrevista com alguns deles era a conhecimento que tinham de artigos do Código Penal, mormente dos dispositivos em que estavam incursos.

Ah! Quase ia me esquecendo, o Barbosa nos acompanhou até a beira do início do corredor, sumindo por ali mesmo.Quase ao final da visita, ele reapareceu e foi o bastante para que um dos detentos o visse e nos apontasse dizendo : -“ Dotor”, o senhor ta vendo aquele ali? Ele é qui nem nóis, é 171”.

NOTA: (171 é o número do artigo do Código Penal referente ao delito de estelionato).



EMILIO CARLOS ALVES
Enviado por EMILIO CARLOS ALVES em 05/10/2005
Código do texto: T56798
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
EMILIO CARLOS ALVES
Santos - São Paulo - Brasil, 69 anos
167 textos (52087 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 15:02)
EMILIO CARLOS ALVES