Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

2-4-0: Assassinato, traição e chantagem (parte 3)

Na segunda-feira a doutora estava em sua sala quando de repente bate à porta seu chefe.
         - O delegado está aqui e disse que precisa falar com você.
         - Mande ele entrar – respondeu a promotora.
         O delegado entrou na sala para conversar com Janice.
          - Bom dia doutora Janice.
          - Bom dia delegado Jânio. Qual é o assunto a ser tratado?
          - É sobre o assassino. Além da cruz no peito achamos um papel dobrado no bolso da camisa da vítima. Resolvi guardar para te mostrar.
          No papel estava apenas escrito o número 240, mais nada.
          - 240? O que quer dizer?
          - É isso que queremos descobrir. Queremos associar o desenho da cruz com o código no papel. Não conseguimos arrancar isso do assassino.
          - Deixe essa parte comigo, antes do processo eu vou ter um encontro com ele. Quero ver quais informações consigo extrair dele. Vou pressionar até tirar o que quero.
          - Seu chefe já nos avisou e pediu que mediássemos o encontro. Vocês vão ficar sozinhos na sala, ele estará algemado, mas nós estaremos do lado de fora observando para intervir em qualquer problema.
          - Sou muito grata pela colaboração de vocês.

          Chegou o dia em que a promotora iria encarar o assassino cara a cara. Ela foi à delegacia e foi à cela que foi reservada para o encontro, mesmo ele estando em liberdade para responder o processo, a reunião deveria ser mediada pela polícia, por questões óbvias de segurança. O delegado e dois policiais observavam tudo do lado de fora.
          - Então você é o assassino – disse Janice.
          O interrogado nada falou, apenas encarou a promotora.
          - Fale algo, quero ouvir o que você tem a dizer em sua defesa.
          - Eu apenas fiz o que devia ser feito – respondeu o assassino.
          - Matar? É isso que devia ser feito? Qual o motivo que você tinha?
          O assassino novamente ficou quieto. A promotora começou a se irritar com as atitudes do interrogado. Mostrou papel com o número 240.
          - O que quer dizer isto? Perguntou furiosamente Janice.
          - Acho que você sabe melhor do que eu.
          - Como assim? O que você quer dizer?
          - Que você sabe o que significa, não deve estar lembrando agora. Mais tarde irá se recordar e vai se arrepender de ter lembrado.
          Janice estava claramente irritada com o jeito de agir do acusado. Jânio e os policiais entraram para retirá-lo dali, pois previam uma possível agressão por parte da promotora.
          - Não sei se foi uma boa idéia esse encontro entre vocês – disse o delegado.
          - Era óbvio que ele não ia dizer nada, eu queria me certificar disso. Ele poderia até atenuar um pouco a pena confessando alguma coisa.
          - Ele não parece muito interessado com a pena que vai receber, acho que nem liga de ser condenado. Não vejo nele vontade de se defender.
          - Esse número 240. Ele disse que eu conheço melhor do que ele.
          - Estranho, nós não conhecemos os motivos que o levam a cometer os homicídios. Se descobrirmos, provavelmente nos levará ao código numérico.
 
          Janice tirou um dia de folga para ir ao mercado. Enquanto passava as compras pelo caixa uma coisa lhe chamou a atenção, uma notícia na televisão, um assassinato e uma cruz no peito do homem.
          - Meu deus – exclamou a promotora.
          Neste mesmo instante pegou o celular e ligou para o seu chefe
         
          - Esse assassino não pode continuar solto, peça ao juiz para expedir um mandado de prisão.
          - Já pedi, mas nós temos coisas mais importantes para descobrir.
          - Eu vou descobrir, deixe comigo.
          O serial killer foi preso, mas negava-se a responder o interrogatório. Neste assassinato também foi encontrado o papel com o número 240.
          - Precisamos descobrir o significado do número – disse Janice desesperada.
          - Não deve ser difícil, somos nós que não estamos pensando direito.

          Foram publicados nos principais jornais os acontecimentos e perguntava-se o significado do número do número e da cruz.
Farah
Enviado por Farah em 16/10/2007
Código do texto: T696767

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Farah
Curitiba - Paraná - Brasil, 31 anos
93 textos (7342 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/08/17 22:53)
Farah