Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MÃE(baseado em fatos reais)

-01-
M  Ã  E

Não há no mundo alguém
Que você julgue mais santa
Mesmo sendo ela má,
Prostituta, sacripanta,
Você, o filho, acredita
Em seu caráter impoluto
Se alguém a ela ofende
Você revida o insulto.

Mãe Santa do Altar
Mãe Santa da cozinha
Aquela mulher ditosa
Sempre tão boazinha,
Que cuida tão bem do filho
Dando amor e seu carinho,
Mesmo estando interessada
Em flertar com o vizinho.

Ela não mistura as coisas,
Sabe de suas funções
Ser mãe é uma delas
E tem outras emoções,
Mas para cada setor
Ela age de uma forma
Sempre dentro da lei
Acatando esta norma.

Namorado é namorado
Filho é coisa que fica,
Não importa se é pobre
Muito menos se é rica,
A mãe se apega a sua cria
E dela não se separa
Seu bebê é para ela
A coisa mais doce e cara!

Os filhos por sua vez
São cheios de preconceitos
Não vêem que sua mãe
Também tem seus defeitos,
Querem que a coitada
Se isole de tudo
E sempre mostre a todos
Um rosto triste, sisudo!

Lindaura era fogosa
Doidinha por um baião
Quando no rádio tocava
Rebolava no salão
O filho dizia, mãe
“Fique com o corpo parado
pois eu morro de ódio
desse seu peneirado”!

Seu motor já não é novo
E isso é muito feio,
Quando a senhora começa
É uma coisa sem freio,
Seu acelerador, coitado!
Vai a mais de cem
Chia e estala
Com os defeitos que tem!

O marido de Lindaura
Era tão cheio de moca
Não queria que a mulher
Se metesse em fofoca
“Seu lugar e na cunzinha
ajeitano o dicomê,
no tanque lavano roupa,
assim é que deve ser”.


Lindaura não se importava,
Tinha sonhos e fantasias
E pensava, com prazer
Realizá-las um dia.
Sonhava estar em Marrocos
Dançando a dança do ventre
Ou na boate do Zehn
Enrolada em uma serpente!

Ninguém pode impedir
A nossa imaginação
Não há barreiras que possa
Impedir o coração
De palpitar, prazeroso
Pelas coisas de emoção
É forte, muito forte
O impulso da paixão.

Rosimira era outra
Excelente professora
Tinha voz muito bonita
Pretendia ser cantora,
O marido possessivo
A ela disse um não
Afirmando que a mulher
Já tinha uma profissão.

Nos tempos das eleições
Pensou ser vereadora
Arranjando muitos votos
Sempre tão encantadora!
O marido revoltado
Disse-lhe: pare com isso
É comigo e com seus filhos
Que você tem compromisso

Ditosa era outra velha
Largada do marido
Mas sonhava encontrar
Um namorado querido,
Encantou-se ao ver
Um tal de Seu Vicente
Um velho todo fogoso
Sem a metade dos dentes.

Os filhos quando souberam
Armaram uma confusão!
Amarraram a pobre velha
Lá nas bocas do fogão
E um deles disse assim:
“Vê se agora se endireita
Com um castigo desses
A senhora se ajeita!”

Ditosa falava alto
Externando seus pensamentos
Os filhos que ela amava
Lhe davam só sofrimentos.
Perguntava a si mesma:
“Será que eu estou errada?
Será que meu pecado
É estar apaixonada?”

Seu Vicente quando soube
Do sofrer de sua amada
Mandou-lhe mais que depressa
Uma carta apaixonada:
“Minha doce querida
Seu penar hoje finda,
Quer fugir comigo
Lá para Nova Olinda?”

Ditosa pulou o muro
Com muita dificuldade
Cheia de reumatismo
Coisas mesmo da idade
O que levava na bolsa
Pra usar durante a fuga
Era uma camisola preta
E um creme anti-rugas.

Amor de velho é tão forte,
É pior que o de novo
Conheço bem a matéria
Reverencio e louvo.
Se vai por dentro do mato
“Nos peitos torando a jurema”
Não há nada perigoso
Que o apaixonado tema.

O velho ao ver Ditosa
Disse “a noite hoje é de festa!”
Eu vou começar meu bem
Dando um beijo em sua testa,
Vamos sair daqui
Desse lugar escuro
Vou colocar você
Em um lugar bem seguro!

Os filhos quando souberam
Que a velha tinha fugido
Queimaram a sua roupa
Fazendo grande alarido:
“Nem mermo em mãe
Se pode mais confiar
Arrigule por aí
Cuma é que o mundo

No outro dia encontraram
Uma bela anotação
Lá na lavanderia
Numa barra de sabão:
“Adeus filhos queridos
Vocês já estão criados
Vou seguir o coração
E as pegadas do amado”.

Os comentários na rua
Eram os piores possíveis,
Falavam de Ditosa
Tantas coisas horríveis!
Diziam que a coitada
Tinha um caráter tão baixo
Que mesmo com o marido
Ela andava atrás de macho!

Foi por isso que Seu Caindo
Deixou aquela nojenta
Levá chife desse jeito
Hôme ninhum agüenta,
Partiu para São Paulo
E num veio mais de lá
Deixando um monte de fio
Pela sozinha criá!

“Cada um tem um pai”
Dizia outra pessoa,
___ Ela sempre foi tarada
Uma muié a toa!
Só vivia de bucho
E do marido num era,
Isso é lá jeito
De uma muié séra?

Outro caso muito triste
Foi o caso da Celinha
Que gostava de usar
Umas roupas bem curtinhas.
Seus filhos disseram: “Veia
Vê se veste outra roupa
Pois de sua bunda mucha
Os hôme tão vendo a popa!”

Celinha não gostou
Da propaganda negativa.
“Sou mio que suas muiés”,
Disse com voz altiva.
“Vocês mim respeite
E ouçam mais uma vez,
Eu sou mais aprumada
Qui a minha nora Inês!”

Os filhos pegaram sua roupa
Desmancharam o abanhado
Rasgaram os shorts dela
Foi pano pra todo lado,
Mandaram trazer a burka
Lá do Afeganistão
Pra ela sair à rua
Também veio um camisão.

Detinha apaixonou-se
Por um rapaz de trinta
Um garoto folgazão
E muito boa pinta,
Os filhos quando souberam
Foi o maior barraco,
Quase pegam a velha
E transformam ela em caco.

“Ele só quer o dinheiro
De sua aposentadoria
Depois deixa a senhora
E sai fazeno anarquia,
Vai dizer: papei a veia
E tomém o dinheiro dela
E agora bem quietinho
Eu saio pela janela”.

Dêxe de se incomodar
Eu tô muito sastisfeita
Mermo que ele um dia
Me faça uma tá desfeita
Nada é eterno
E eu também num sô
Quero neste momento
Curtir o meu novo amô.

Parabéns mulherada
Pelo que vocês têm feito
Continuem assim
Buscando os seus direitos.
Nós também somos gente
Temos alma e coração
Não somos objetos,
Rádio ou televisão.

E assim cada uma de nós
Vamos enfrentando a vida
Mas nunca nos demos
Esta luta por perdida.
Vamos de bandeira branca,
Buscar um lugar ao sol
Há sempre uma esperança
Nesse novo arrebol.

09/06/2002 ____ Lumdore

Luma Dore
Enviado por Luma Dore em 13/03/2006
Código do texto: T122573

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Luma Dore
Ipaumirim - Ceará - Brasil
13 textos (1924 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 21:34)
Luma Dore