CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

PEQUENO CORDEL

Quando num solo brota
a flor da pura poesia
e desperta nos poetas
literatura sadia
como criança feliz
tomando chá de raiz
eu danço de alegria

Sou adepto do cordel
a minha grande mania
escrevo até dormindo
ou ao sol do meio dia
os meus versos rimando
tiros no ar pipocando
nos traços da boêmia

Atiro flecha no alvo,
no pingo d'agua dou nós
um espaço de pescar
sem vara, isca, ou anzóis
pegando peixes no mar
e sobre as ondas caminhar
na luz dos grandes faróis

Voo muito sem ter asas
sou um grande beija-flor
subo escadas correndo
trato a todos com amor
quando me olham sorrindo
me transformo num menino
que ganhou da mãe uma flor

Deixo a todos os poetas
amizade taxativa
um amplexo de amigo
nessa grande roda viva
e peço que editoras
deixem de ser tão tolas
e comprem logo nossa briga

Pois nossa briga é de paz
nossas armas são os versos
temos por faca o sorriso
no bate-boca converso
montamos na fantasia
voamos na alegria
festejamos no Congresso

Publiquem nossas obras
mostrem a arte do poeta
levem cordel pras escolas
ser feliz é nossa meta
poesia é coisa do céu
na internet ou no papel
o analfabeto é pateta
Gilbamar de Oliveira
Enviado por Gilbamar de Oliveira em 12/10/2009
Reeditado em 23/05/2011
Código do texto: T1861166
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2009. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Gilbamar de Oliveira
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil
2720 textos (232185 leituras)
7 áudios (2228 audições)
11 e-livros (1075 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/07/14 05:19)