Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OBS: entre as muitas acusações que esse texto me rendeu, uma eu admito e peço desculpas aos leitores. Acusaram-me de usar muitas palavras de baixo calão. É verdade, e a maior e mais abominável delas foi..."plágio".

Cordel Sobre Plágio
Tere Penhabe

Que parece paranóia
não vou negar pra vocês
confesso a minha cisma
com a bendita letra P
Plágio, Poder, Putaria
está tudo em sintonia
sem nem lembrar do PT.

Pois hoje a minha flecha
envenenada e cruel
vai pra esse sanguessuga
que em vez de sangue tem fel
sem verniz e sem vergonha
co' essa cara de pamonha
que nem dono de bordel.

Uns dizem que é neurose
carência no coração
querendo justificar
tanta mistificação
mas digo com certeza
isso aí é uma proeza
de espírito bundão.

Não entendo como pode
esse puto mascarado
achar que tenha direito
de roubar o que é criado
desculpe o baixo calão
não passa de cafetão
do pior qualificado.

O cidadão usa a alma
coração e sentimento
com amor e toda a calma
dá à luz o seu rebento
vem o gatuno safado
de lorde fantasiado
surrupiar o que foi feito.

Defesa do salafrário
não tem como ser pior
feita pelos urubus
farda e pose de major
"de dar náuseas em formiga"
seja o que for que diga
francamente, meu senhor!

A nossa vida é pautada
nos limites que se tem
o meu direito termina
no direito de alguém
respeitar é obrigação
é minha religião
vergonha para quem tem.

Eu venho de uma terra
da qual muito me orgulho
onde a lei era cumprida
não tinha vez o gatuno
se falhasse na justiça
o meu povo sem preguiça
julgava o inoportuno.

Mas aqui o tal modernismo
do caráter fez fritura
a plágio de sem vergonha
dão nome de releitura
sem ser citado o autor
sequer mencionado a cor
isso me dá até gastura.

Não adianta ameaçar
nem posar de grão-vizir
cada um tem os amigos
do naipe que lhe atrair
tampar o sol com a peneira
entretanto é bandalheira
isso não vou permitir.

Mas depois de tudo isso
só me restou foi pensar
na triste sina do P
que estão aí a propagar
pra quem ainda não sabe
eu salvo o meu Penhabe
até pra ninguém roubar.

Pois tenho os meus defeitos
quem não haverá de ter
mas não será desrespeito
por direito de ninguém
não sou Maluf nem Serra
se falo de paz ou guerra
vale mais que um vintém.

Santos, 23.06.2006_8:53 hs

Tere Penhabe
Enviado por Tere Penhabe em 20/08/2006
Código do texto: T221129

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Tere Penhabe
Santos - São Paulo - Brasil, 61 anos
252 textos (25820 leituras)
5 áudios (601 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 20:19)
Tere Penhabe