Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A GENEALOGIA DE ADÃO ATÉ JACÓ

A Deus eu quero pedir
Que me dê sabedoria
Para descrever em versos
Como adoro a poesia
De Adão até Jacó
Toda a genealogia
Com a força do seu poder
Deus o Pai da criação
Criou o primeiro homem
Feitio da sua mão
Deu-lhe um fôlego de vida
E lhe pôs o nome Adão
Adão foi que gerou sete
Este em lugar de Abel
E sete gerou a Enos
Que foi um homem fiel
Enos gerou a Cainã
Cainã a Maalalel.

Maalael gerou Jarede
Que foi privilegiado
Por ser o pai de Enoque
Que já nasceu consagrado
Enoque o primeiro homem
Que ao céu foi trasladado
Enoque homem de Deus
Gerou a Matusalém
O homem que mais viveu
Mais do que ele ninguém
Depois da morte dois anos
É quando o dilúvio vem
Matusalém a Lameque
Que possuia esperança
De gerar um grande artista
Com a grande confiança
De salvar todos os seres
Que sobre a terra se avança
Lameque gerou Noé
Ao qual Deus confiou
A fabricação duma arca
E ao povo anunciou
Do que ia acontecer
Mais ninguém acreditou

Era uma ordem de Deus
Que tudo iria acabar
Com uma grande inundação
Chegando até terminar
Todos os seres da terra
Só escapando os do mar
Deus ordenou a Noé
Que só ele poderia
Edificar uma arca
Trabalho de a dia a dia
Ele escapava e mais quem
Lhe fizesse companhia
Noé aos quinhentos anos
Começou o seu trabalho
De fabricação cem anos
Quando so havia orvalho
Pra quem fosse obediente
Encontrar um agasalho
Mil seiscentos e cinquenta
E seis anos foram os dados
De Adão até o dilúvio
São esses os anos contados
Somente dez gerações
Com os anos prolongados.

Noé gerou o primogênito
O filho chamado sem
Só bem depois do dilúvio
Que a multiplicação vem
Sem gerou Arfachade
E este a Selá também
Selá foi pai de Eber
Eber gerou a Pelegue
Pelegue gerou Reú
Jamais haverá quem negue
Que Reú gerou Serugue
Que a mesma doutrina segue
Serugue gerou Naor
Quem escreveu tem razão
Naor gerou a Teerá
Formando grande nação
Teerá então foi o pai
Do patriarca Abraão
Dois mil e quarenta e seis
Os anos da criação
Do homem a semelhança
De Deus o Rei de Sião
Foram vinte gerações
Até nascer Abraão.

Abraão gerou Isaque
Depois que foi ancião
Foi enviado por Deus
A terra da promissão
E a sua descendência
Fez uma grande nação
A sacrificar o filho
Por Deus fora ordenado
Pela sua obediência
O holocausto preparado
Quando apareceu um anjo
Que do céu foi enviado
Ao levantar o facão
O corte ia ser certeiro
Para degolar o filho
Aparece um mensageiro
Que lhe segurou o braço
E apresentou um cordeiro
Pois o que Deus quer do homem
É que seja obediente
Seja leal justiceiro
E ao Bom Senhor temente
Receberá toda glória
A quem for seu descendente.

Isaque gerou dois filhos
Jacó era criador
Esaú humildemente
Era um agricultor
Um dos altos valores
O outro de menos valor
Esaú nasceu primeiro
Era quem tinha direito
Por ser ele o primogênito
Pelo seu pai era aceito
Lançar a bênção paterna
Isso com todo respeito
Jacó mais inteligente
Pode arrumar uma trama
O pai que não enxergara
Pra dar a bênção lhe chama
Com uma idéia da mãe
Que ao filho mais novo ama
Na ausência do irmão
Aproveitou o momento
Qe o mesmo tinha saído
A procura de alimento
Para o pai o receber
Seu precioso talento.

De uma grande riqueza
Seria o possuidor
Se não fosse a traição
De quem não lhe tinha amor
Gêmeo de um só umbigo
Seu maior opositor
Jacó, sua geração
Teve uma imensa grandeza
E os reis que dominaram
Gerando grande riqueza
E Esaú seus descendentes
São os que vivem na pobreza
Em Gênesis ví escrito
Toda genealogia
Das citadas gerações
Eu creio ninguém sabia
E se Deus não revelasse
Jamais Moisés escrevia
A Bíblia é um livro sagrado
Quem ler com todo carinho
Vê uma arvore plantada
Tem flores, mas tem espinho
É saber interpretar
Pra não sair do caminho

Deus quando criou o homem
Edificou-lhe na mente
A força do seu poder
Para ser inteligente
Através do pensamento
Ficar de tudo ciente
Peço desculpa ao leitor
Se o sagrado livro leu
Se no verso encontra erro
O errado não sou eu
O dito erro já vem
De quem a bíblia escreveu
Vou revelar o meu nome
São os direitos humanos
Cícero Modesto Gomes
Que a escrever faço planos
Hoje tenho orgulho em ter
Meus sessenta e nove anos
Na idade que eu tenho
Me dar o maior prazer
Pelo o fôlego de vida
Que me fez tanto viver
Na santa paz deste mundo
Quero a Deus agradecer.
Cícero Modesto Gomes
Enviado por Cícero Modesto Gomes em 27/05/2011
Código do texto: T2996372
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cícero Modesto Gomes
Fortaleza - Ceará - Brasil, 75 anos
82 textos (11006 leituras)
10 áudios (369 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/11/14 00:26)
Cícero Modesto Gomes



Rádio Poética