Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

BARBEARIA POÉTICA

Sentei-me naquela cadeira,
em uma velha barbearia,
comose fosse uma qualquer,
mas surpresa, quem diria,
que dois ilustres fregueses,
sentaram-se ali um dia.

A mesma cadeira e barbeiro,
onde várias vezes na semana,
se sentava, meio que calado,
fazendo a barba, à sotaina,
o poeta tão consagrado,
o eterno Mário Quintana.

E como se não bastasse,
já o insólito fascínio,
fiquei inda mais espantado,
por saber que o Lupicínio,
também ali ficou sentado,
Senti-me então pequenino.

Quem dera que por osmose,
pudesse eu ali absorver,
quiça uma pequena dose,
do que souberam fazer,
esses consagrados nomes,
na arte do bem escrever.

São coisas que a vida dá,
sem que as esperemos,
vamos parar num lugar,
que ainda não conhecemos,
e acabamos por encontrar
aquilo que nós queremos.

E dali tiramos versos,
para poder assim relatar,
a alegria ali sentida,
por simplesmente sentar,
na cadeira preferida,
dos gênios do poetar.

Tantos versos e rimas,
devem ter ali nascido,
quiça, até obras primas,
soaram aos ávidos ouvidos,
desses mestres da rima,
na barbearia entretidos

À mim restou este cordel,
feito assim de improviso,
por me sentir ali no céu,
em meus versos imprecisos,
a alma cheia do doce do mel,
sentindo os dois ali comigo.


Jorge Linhaça
Enviado por Jorge Linhaça em 28/11/2006
Código do texto: T304031
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jorge Linhaça
Salvador - Bahia - Brasil, 55 anos
3723 textos (711077 leituras)
95 áudios (13093 audições)
1 e-livros (277 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 18:38)
Jorge Linhaça