Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O político peneirado (Feito há mais de 5 anos - é atual?)

Êta caboclo sabido,
Sujeito de prosa boa,
Cochicha no pé do ouvido,
Abre a boca e ri à toa,
Tem vez que solta um gemido,
Parece outra pessoa,
Tem hora que é comedido,
Outras horas ele voa,
Mas nuca fica perdido,
Tá sempre remando a proa.

Eis aqui o homem inteiro,
Que o cordel vai peneirar,
Tampe o nariz para o cheiro,
Que a coisa pode azedar,
Apague o seu candeeiro,
Que é pra não ter de enxergar,
Abra a porta do banheiro,
Se a barriga reclamar,
Tenha à mão algum dinheiro,
Que ainda vai ter de pagar.

Depois de bem peneirado,
E o cabra virar farinha,
São fezes pra todo lado,
Feito purê de abobrinha,
Pois um ânus educado,
Respeita a prega rainha,
Vem em pacote fechado,
Não é cocô de galinha,
É tudo bem programado,
Tudo bem dentro da linha.

Passou a massa cinzenta,
Peneirou-se o pensamento,
Seu moço, ninguém aguenta,
O fedor que vai pro vento,
Arde os buracos da venta,
Faz o escarro purulento,
Dá uma tosse nojenta,
Que arremessa excremento,
A coisa mais fedorenta,
Que história tem documento.

Pura bosta de neurônio,
Curtida na endorfina,
Faz a camada de ozônio,
Necessitar de faxina,
Pois serviu pro matrimônio,
Do sujo com a fedentina,
Feito o Arruda e o Antônio,
Uma parelha cretina,
Do satanás com demônio,
Pra tomar conta da mina.

A mina e o seu tesouro,
O ideal democrático,
Fechada à chave de ouro,
Com segredo enigmático,
Que era pra ser duradouro,
Com protetor automático,
Caiu que nem cabelouro,
De animal subaquático,
Ou outro bicho de couro,
Que fica mole e apático.

A peneira do cordel,
É na verdade, a moral,
E está cumprindo um papel,
Que lhe é essencial,
Incorporar o menestrel,
No cenário nacional,
Pra derramar o seu fel,
E o unguento cerebral,
Também um pouco de mel,
No caldeirão federal.

Um mel de aroma floral,
Pra dissipar o mau cheiro,
Que o congresso atual,
E seu odor costumeiro,
Infestou no seu quintal,
Fez do país um bueiro,
Desde o planalto central,
Cobrindo o Brasil inteiro,
Com a bênção do capital,
Da lavagem de dinheiro.

 
Herculano Alencar
Enviado por Herculano Alencar em 18/09/2005
Reeditado em 28/09/2016
Código do texto: T51577
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Herculano Alencar
São Paulo - São Paulo - Brasil, 62 anos
1335 textos (57842 leituras)
5 áudios (264 audições)
13 e-livros (3207 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 08:07)
Herculano Alencar

Site do Escritor