Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cordelinho...

Fui menina, fui donzela,
entre tantas, a mais bela,
conheci um navegante,
moço fino e elegante,
lá das bandas do Nordeste.
Não era cabra, nem peste...

E depois de muita prosa,
de ramalhete de rosa,
pos a mão na minha cintura,
e eu que era moça pura,
fiquei logo envergonhada,
com aquela mão, assanhada.

Meu pai vijiava a sala,
revolver, cheio de bala,
e assim nesta agonia,
fui vivendo todo dia,
com um nó no pensamento,
desejando o casamento...

Meu marujo era fogoso,
tinha um cheiro tão gostoso,
que me provocava o gosto,
de querer sem dar desgosto,
aquele corpo agarrar,
mesmo antes de casar...

E uma noite de lua cheia,
depois de uma farta ceia,
meu pai logo adormeceu,
nos braços, de um tal Morfeu.
O Marujo ficou doidinho,
com fogo no passarinho...

Foi então que conheci,
um gosto que até ali,
nunca havia experimentado:
Aperto de namorado,
com tudo se levantando,
sem ter o pai, vigiando ...
Day Moraes
Enviado por Day Moraes em 10/10/2005
Código do texto: T58487
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Day Moraes
Angra dos Reis - Rio de Janeiro - Brasil
137 textos (4782 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 10:11)
Day Moraes