Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PARA MUDAR O BRASIL TEMOS QUE MUDAR O POVO!

Nosso Brasil brasileiro
É terra de trambiqueiros
A vergonha é não levar
Esse monte de dinheiro
Pois roubar é natural
Por nativo ou estrangeiro.

O povo é conivente
Pois escolhe os políticos
De uma forma indecente
Sem o menor senso crítico
Por algum bônus barato
Como verme parasítico.

São diversas facções
Bancadas corporativas
Partidos de ocasião
Sem nenhuma expectativa
Que se vendem ao primeiro
Que assuma a sua dívida.

Os devotos da estrela
Os comparsas do tucano
A chama emedebista
Escorre podre no cano
As ferramentas operárias
Querem manter o engano.

A árvore demoniada
Tem frutos muito antigos
Que contaminam a cesta
Com os seus novos amigos
Os que podem se escondem
Em siglas como mendigos.

Evangelistas farsantes
Pecam e pedem perdão
Os ruralistas usurários
Mancham de sangue o chão
E os ricos empresários
Mandam em nossa nação.

Vendem carne maquiada
E leite adulterado
Obras desqualificadas
Equipamentos quebrados
Placebos remediados
Noticiário inventado.

Presidentes Senadores
Deputados vis venais
Ministros e até Juízes
Querem ganhar muito mais
Corroem a máquina do Estado
Com seus atos criminais.

Tem o pai e tem o filho
Tem o avô e o neto
O sobrinho e o cunhado
O irmão que é mais esperto
O poder hereditário
Não devia ser correto.

As pessoas que elegem
E defendem essas quadrilhas
Compactuam e querem
Acumular suas milhas
Mesmo sendo ilegal
Pra sustentar suas famílias.

Furam filas por aí
Estacionam em calçadas
Não devolvem o que acham
Pois se sentem agraciadas
Comem biscoito em mercados
E saem sem pagar nada.

Jogam o lixo no chão
Urinam ao pé do muro
Invadem as áreas públicas
Sem projetar o futuro
Com som alto para todos
E gato de luz no escuro.

Procrastinam suas contas
E caem na água dura
E não querem nem saber
Se aumentam a rachadura
Querem é ganhar um por fora
Corroendo a estrutura.

Riem no mundo virtual
Da própria realidade
Mas não tomam atitude
Só creem em pós-verdade
Vigiam a vida alheia
Na maior banalidade.

Como mudar o país
Sem mudar o nosso povo
Que já perdeu a esperança
Nem acreditam no novo
Trocam o voto valioso
Até por um pão com ovo?

Depois de tanta lambança
Desde que Cabral chegou
Monarquia e República
Ditadura que matou
Vimos que a Democracia
Por aqui nada mudou.

O marketing é quem dita
Quem será o escolhido
A beleza das imagens
Deixa a todos iludidos
O discurso da mentira
É o produto mais vendido.

Os tempos estão mudando
Ou outra farsa se instala?
Operação Lavajato
É sincera ou é só bala
Pra atingir inimigos
E mandá-los para a vala?

Varramos desse país
Essa raça de canalhas
Mau-caráter e escroques
Que cometeram essas falhas
Numa eleição direta
Empoderando a gentalha.

Banir os denunciados
Envolvidos sim ou não
Pois onde existe fumaça
Com certeza há um fogão
Fumegando fogo baixo
Da praga da corrupção.

Vamos escolher alguém
Que nunca teve o poder
Que prove a honestidade
E que nos faça saber
Que só com diretas já
É que iremos vencer.

Salvador, 20 de maio de 2017.
Cordel Jotacê Freitas
Enviado por Cordel Jotacê Freitas em 20/05/2017
Código do texto: T6004416
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Jotacê Freitas www.oficinadecordel.blogspot.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Cordel Jotacê Freitas
Salvador - Bahia - Brasil
16 textos (3981 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/07/17 08:13)
Cordel Jotacê Freitas