Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DECLARAÇÂO DE AMOR

                               DECLARAÇÂO DE AMOR

               (Cena iniciada numa viagem de comboio (trem)).


Lado a lado viajavam um casal de jovens, numa viagem que decorria, havia mais de uma hora. Os olhares dele, sobretudo os dele, pareciam indiciar que estaria para breve o início de um diálogo. Tal assim foi. O moço, face aos desígnios não resistiu, e o diálogo deu o que se segue.

   - Desculpe o atrevimento das minhas palavras, mas não resisto a dizer-lhe que tem uns lindos olhos.
   - Obrigado (timidamente).
   - Desculpe se fui incómodo, mas na verdade nunca vi olhos tão lindos e não fui capaz de calar o que os meus olhos vêem.
   - Não está a ser incómodo. Talvez os seus olhos estejam a ver demais.
   - Não, os meus olhos nunca me enganam, tenho perfeita confiança neles. Já agora também lhe direi que em si não são só os olhos que são interessantes, também a cor da sua pele é muito apelativa…
   - Muito obrigado.
   - Não quero que interprete mal as minhas palavras, mas…Posso fazer-lhe uma perguntinha? Não quero ser indiscreto, mas até me parece que a conheço de algum lado…
   - É possível, mas na verdade nem sou daqui. Sou do Sul. Há pessoas parecidas…
   - Ai sim!!! Tenho lá família. O Sul é muito lindo.
   - Eu gosto, mas a vida trouxe-me até aqui…
   - Ainda bem… Senão não teria tido o prazer de ver tão lindos olhos…Vai ver que vai gostar e não se vai arrepender. O povo do Norte é muito hospitaleiro. Também temos coisas lindas para descobrir…e pode até dispor dos meus préstimos como cicerone. Está cá há muito tempo?
   - Cheguei há três meses, ainda mal conheço a região.
   - Não se vai arrepender de ter vindo para aqui. Pela parte que me toca… faço força para que goste…
   - Espero que não me arrependa…
   - Não vai de certeza arrepender-se. Já tem alguma opinião acerca do Norte?
   - Para já é prematuro falar, mas a gastronomia agrada-me. O clima nem tanto, acho muito calor…
   - A gastronomia é muito apreciada por toda a gente. Quanto ao calor… vem do coração quente deste povo. Somos diferentes de todos. Não há ninguém no mundo com um coração tão quentinho e bom como o deste povo simples, afável e acolhedor.
   - Realmente, ao olhar por si…
   - Quanto à gastronomia é uma região ímpar. Poderei dar-lhe dicas ou até quem sabe, algum dia podermos jantar juntos…
   - Muito obrigado. Você é muito gentil.
   - É este meu jeito de nortenho, do tal povo de que lhe falei…Poderei fazer-lhe mais uma perguntinha?
   - À vontade.
   - Veio estudar ou trabalhar?
   - Vim trabalhar, mas as coisas não estão fáceis…
   - Na verdade não estão… Aliás, como não estão em lado nenhum… Em todo o caso, do que lhe for útil, disponha da minha pessoa. Pode até ficar com o meu número de telemóvel ou o meu endereço de e-mail e MSN. Sinta-se à vontade. Disponha de mim como quiser e quando quiser.
   - Muito obrigado. Não digo que não. É sempre bom ter amigos ou conhecidos…Sempre muito simpático… Então, poderemos trocar nossos contactos.
   - Desculpe o meu atrevimento… Não sei se alguém já alguma vez lhe disse que tem uma boca muito sensual e um sorriso encantador …Uma perfeita obra-prima da natureza…
   - São os seus olhos…
   - Olhe que não, olhe que não. Já lhe disse que os meus olhos não me enganam…Você é toda interessante dos pés à cabeça. Desculpe uma vez mais a minha ousadia… Não é meu propósito ser atrevido.
   - Não está a ser atrevido, apenas …
   - Posso fazer-lhe mais uma perguntinha? Se estou a ser indiscreto diga. Não quero ser mal interpretado…
   - Pode…
   - Tem algum programinha para esta noite?
   - Por acaso, até não…
   - Então, desde já lhe lanço o convite para jantar comigo. Quem sabe, saborear um daqueles pratos da nossa região, que ainda não conheça. É uma boa oportunidade… Não resisto a dizer-lhe, que o seu vestido é muito lindo…dá-lhe uma elegância…Aliás a elegância está no seu corpo, o vestido é que ficou a ganhar… Esse decote discreto valoriza-lhe os seios roliços e firmes. Desculpe, mas você… está a mexer muito comigo.
   - KKKKKKKKK. Obrigado pelo elogio. Continuo a dizer-lhe, que são os seus olhos…
   - Não me vai dizer, que nunca ninguém lhe disse, que não tem umas pernas bem feitas…Parecem feitas em torno manual…
   - Muito simpático e generoso nos elogios. Você também é um homem interessante…
   - Não são elogios, são constatações que os meus olhos me transmitem. O seu todo é cheio de fascínio. Os olhos, com brilho rutilante, não deixa ninguém alheio. Mas não só, também o seu jeito de falar e o tom de voz…Um beijo nessa boquinha deve ser cá uma coisa…
   - Você realmente, é simpático demais.
   - Sou nada. O que falei é pouco, para o que você merece. Adorava ter uma namorada como você…
   - KKKKKKKKKKKKK
   - Será que terei uma oportunidade? Estou no caminho certo?
   - Você tem feito muito por isso. Na verdade, também tenho gostado das suas palavras. Porque não?

Esta declaração de amor, haveria de ser selada com um tímido, mas desejado beijo.
   Foram Felizes Para Sempre.


 O sedutor e o seduzido em comunhão final de interesses. Assim fosse sempre e o mundo seria o Éden que justamente todos mereceriamos.  Bem hajam os que fazem do amor, uma arma de arremesso.

Um abraço para todos os infortunados, especialmente para estes.

Povo Lusitano
Enviado por Povo Lusitano em 29/09/2007
Código do texto: T673138

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Povo Lusitano
Portugal, 62 anos
311 textos (24330 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 19:03)
Povo Lusitano