Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O presente trabalho está dividido em sete textos produzidos para uma apresentação acadêmica de alunos do curso de Licenciatura em Letras da UNIESP – outubro de 2007, para a matéria de “Estudos Independentes II” sob a responsabilidade da Profª MS Gláucia Lemos.
Procura resgatar as tradições regionais em algumas regiões do Brasil em que personagens da história foram eternizados e trouxeram a contemporaneidade as vestes tradicionais que ainda persistem no tempo e tornaram-se um dos maiores tesouros da história nacional.
Agradeço aos meus eternos amigos, Aguida, no papel de “China da Vacaria”; Adriano e Deruquete, nos papéis de “Lampião e Maria Bonita”; Alzileni no papel de “Baiana”; Rita no papel de “Rip”, e sua filha Amanda, a nossa mascote convidada, no papel de “Beata Narradora”. Eu fiz o papel de “Capoeirista”.
Espero que gostem, pois não se trata apenas de uma homenagem à cultura brasileira; fiz aqui também uma singela homenagem a esses companheiros de jornada acadêmica que muito considero.
 
 
ALZIBLACK DI IANSÃ
 
Vixi qui turma bunita
Qui vim aqui incontrá
Seu subessi antecipadu
Trazia inté vatapá
 
Mas vô falá di outra história
Da ropa qui to usandu
Da saia i du turbanti
Qui aos homi vai incantandu
 
Tudu brancu, tudu simplis
Mas um toqui “meiu assim”
Lá pertu da iscadaria
Com a minha mãe, minha tia
I u nossu Sinhô du Bonfim
 
Olhi lá ô Capoera
Qui tumbém sabi jinga
Um abraço a Oktoberfest
I aLampiaum i Maria
Eu dedicu u versejá
 
 Saia rodada i rendada
Qui veiu cum tradiçaum
Veiu tumbém candonblé
Di um tempo di iscradaum
 
I a vida cum sua istrada
Mi insinô qui mulhé
Tumbém carrega legado
Bordado e acarajé
 
I olha aqui o seu moçu
Num provoca a nega naum
Sambu dus pé ao pescoçu
Tenhu até “Ala”, e ocê naum
 
Das tribu da minha genti
Resto força di nagô
Hoji baiana já aprendi
I comu dissi u capuera
Já fez Juiz e Doto
 
I num pensi im viajá
Pra Bahia du amigo Gil
Sem pensá em visitá
As Baiana du Brasil
 
As moça forti i rendera
Decantada pur Gonzaga
Pintadas por Cavalcanti
Decendem di Nega Bêra
Iscrava linda i istiganti
 
Mas agora eu to parandu
Pra úrtima istréia chamá
Ela é muitu diferenti
Diz qui já foi carenti
Seu nomi é Rita Araguaia
Lá dus tempu Militá
 
 Continua...
O Guardião
Enviado por O Guardião em 10/10/2007
Reeditado em 10/10/2007
Código do texto: T688123
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
O Guardião
São Paulo - São Paulo - Brasil, 52 anos
364 textos (34559 leituras)
13 áudios (2412 audições)
2 e-livros (1991 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 17:07)
O Guardião