Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A GATA QUE PARIU CACHORROS

A coisa ta feia,
A coisa ta preta.
Muita cosia acontecendo
Isso é obra do capeta.
E como não bastasse
Os jornais fazem o repasse
Usando papel e caneta.

Vi falar por esses dias
Lá pras bandas de passo fundo
Que a dona de uma gatinha
Quis perturbar o mundo
Abalou toda a ciência
Faltou até paciência
Que até hoje me confundo.

Alardeou pelo país
Que a gata pariu cachorro
Não sei nem o que fiz
Só sei que quase morro.
Com uma noticia dessa
Precisamos ter pressa
Para pedir socorro.

Vejam quanta coisa
Acontece nesse mundo
Pergunte para o povo
E responda num segundo
Poderia isso ser verdade
Mesmo que sem maldade
O castigo fosse profundo?

Já vi galinha criar pato
Vaca dá leite pro homem
Já vi o povo falar
Que viu até lobisomem
Mas gata parir cachorro
Minha gente quero socorro.
Esses assuntos me consumem.

Da mitologia grega
Lembro do tal minotauro
E lá da pré-história
Recordo-me dos Dinossauros
Agora vem essa ninhada
Cachorro, gato e mais nada
Nisso não acreditou seu Mauro.

Do sul ao norte do país
A notícia foi manchete
O povo se perguntando
Por essa conversa da peste
Que insistindo até Corro
Pra ver uma gata com cachorro
Transar ou fazer frete.

Não é de se acreditar
O mundo isso não merece
Mas é noticia de jornais
De vender não esquece
Não importa se é verdade
Ou seja, até maldade,
Não importa quem padece.

Mas voltando ao assunto
Dos cachorrinhos da gata
Esse caso tão bizarro
A qualquer um maltrata
Pois até em cima de um morro
É gata parindo cachorro
E cachorra parindo gata

Pobre dessa gatinha
Com os bichos no seu ventre
Ainda mais três gatinhos
Isso é coisa de quem mente
Será que dez quilos de lombrigas
Dentro de uma só barriga
Vai deixar sobrevivente?

Mas a ciência provou
Que isso é impossível
Três gatos e Três cachorrinhos
Numa gestação tão horrível
Poderia ser uma onça
Com seis dentro da pança
Transformados em comestível.

A coisa ficou feia
Para a dona da gata
Que mentiu para a nação
Eita mulher ingrata
Deve ter passado vergonha
Pensando que a cegonha
Daria cachorro, a gata.

Uma mentirinha dessas.
Assusta a população
Aos jornais interessa
Para vender toda edição
Espalhando pelo país
Essas coisas tão vis
Querendo causar comoção.

Imagine meu amigo
Esse caso escabroso
De uma catinha prenha
Num momento tenebroso
Com três gatos na barriga
Parecendo está com lombriga
No mesmo ventre três cachorro.

Isso é um absurdo
Mas ninguém pode evitar
Que o povo minta tanto
Tentando a outros enganar.
Com mentiras cabeludas
Ao mesmo tempo absurdas
Conversa brava de matar.

Mas tudo foi passado a limpo
A ciência comprovou
Que a gestação era impossível
E que a mulher se enganou.
Ficando ela por mentirosa
A gata mais caprichosa
Pois dos estudos se livrou.

Por aqui vou terminando
O que li, já repassei.
Tudo tava na internet
Foi lá onde pesquisei
Muito, não tem acesso.
Mas com ajuda do progresso
Um dia vão ter que eu sei.

Se você não acreditar
Procure informação
No mundo tudo acontece
Sem nenhuma distinção
Até outra oportunidade
Não Faltei com a verdade
Nessa minha narração


MIGUEL NASCIMENTO
RIO LARGO - AL
Miguel Nascimento
Enviado por Miguel Nascimento em 22/10/2007
Reeditado em 03/11/2007
Código do texto: T704276

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Miguel Nascimento). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Nascimento
Rio Largo - Alagoas - Brasil, 48 anos
125 textos (9744 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/10/17 20:49)
Miguel Nascimento