Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O DIARIO DA VACA NEGRINHA

Em uma tarde de frio
Com coragem e muito brio
Minha mãe, de-me à luz
Envernada montanhosa
Eu, contente e saltitante!
Procurava alimentar-me
Naquele úbere matriz.

                    Felizmente, no mundo animal
                    Não existe preconceito
                    E eu, sentindo-me a tal
                    Seria a mais feliz!
                    Mesmo sendo bem negrinha
                    Mas, saudável e espertinha...
                    Uma " cabeça " à mais
                    Assim dizem os " tais "
                    Que só querem enrriquecer

Fui crescendo...Fui crescendo...
- Que novilha bonita!
Ouví o patrão dizer...
E o tempo foi passando
Junto àquela manada
Eu fui permanecendo

                    Um dia como toda novilha
                    Também sentí-me atraída
                    Por um bom reprodutor
                    Sentí a vida mudando
                    Adulta eu fui ficando
                    Até que prenha, fiquei

Tentando me espelhar
Nos bons exemplos de mamãe
Carinhosa e responsável
Boa mamãe me tornei

                    Uma cria...duas...três
                    À se perder as contagens
                    Naquelas verdes pastagens
                    Sentí que envelhecí
                    Na minha última cria
                    Esqueceram-se de mim
                    Meu filhote bem crescido
                    Sugou-me até o fim!

Um dia, o meu patrão
Acordou então pra vida
Viu-me muito abatida
E levou então meu filho
Pois ja comia capim

                    Era tarde infelismente!
                    Essa tal humanidade
                    Vive na comodidade
                    Nos prazeres eloqüentes
                    Comecei então me lembrar
                    Quando lucro eu tinha pra dar
                    Olhavam-me com atenção
                    Quantas crianças alimentei!
                    Quantos queijos eu lhes dei!
                    Enrriquecendo as refeiçoes

Hoje, assim tão abatida!
Sentí-me então perdida
Nada mais tenho pra dar!
Solidariedade recíproca? Não!
-Essa aí, nessa fraqueza
Nem vale à pena gastar

                    Ao ouvir essas palavras
                    Então compreedí,
                    Eu tinha que ser bem forte!
                    Aquí, começa o meu fim!

Separaram-me das outras
E,eu fui continuando...
Certo dia uma vizinha
Aproximou-se de mim
Brincando, empurrou-me com os chifres
Eu fui cambaleando
Com minha fraqueza, caí

                    Foi então que eu sentí
                    Que não mais levantaria
                    Passaram-se alguns dias
                    E eu, nunca mais comí

Sentí sede, sentí dores
Sentí no couro,os horrores
De um animal envelhecido
Até que certa manhã...
Um funcionário piedoso...
Talvez tenha sido meu fã...

                    Dizia em vóz muito baixa
                    -Onde é que está o machado?
                    No sofrimento dela vou por fim!
                    Reuní as minhas forças
                    E esperei o meu fim
                    Cada um tem um destino...
                    E o meu...
                    Estava escrito assim!
                                               



   


                   
Ivany Fulini Sversuti
Enviado por Ivany Fulini Sversuti em 03/12/2007
Reeditado em 11/05/2012
Código do texto: T763033
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Ivany Fulini Sversuti
Jandaia do Sul - Paraná - Brasil, 60 anos
449 textos (34209 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 08:21)
Ivany Fulini Sversuti