Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A PEDAGOGIA DO PRESÉPÍO


“ Reconheço a felicidade pelo barulho que ela faz ao partir “
Jacques Prévert

É uma tradição que me traz felicidade .
Em novembro,  já começo a pensar na confecção do presépio que ficará exposto na minha sala de jantar  até  o dia sete  de janeiro do Ano Novo  : um dia após o Dia de Reis.
Por volta de 1992 , eu mesmo fiz as peças , uma a uma , de  argila : pintei-as com esmalte .
O modelo utilizado foram as de um outro presépio : o que meu pai montava todo Natal , em minha casa , quando ainda eu era criança e só colocava a mão nas imagens com autorização e sob supervisão de alguém mais velho .
Eu e meu pai fizemos e desfizemos muitos presépios.  Cada peça , ao ser colocada ,  tinha uma história que era contada  e recontada : foi assim que me interessei pelo Novo Testamento ( e depois pelo Antigo) .
Lembro-me  , inclusive , dos presépios que o vi  montar sob uma escadaria da residência da família Biagi , quando ainda era vivo  Baudílio: ali , perto do prédio do Estadão .
Muitos são os  nascimentos do Cristo em minha memória  e muitas foram as vezes em que , no Dia de Reis , logo de manhã ,   colocávamos as imagens  , todas , em torno e bem perto da manjedoura  , para significar a chegada  dos Reis Magos .
Aprendi a nunca ter preconceito de cor com a presença constante de Gaspar , sempre ali, ao lado do Menino Jesus .
Aprendi a importância da reunião dos membros da família , com José e  Maria , sempre ajoelhados aos pés da Criança : e,  assim , o amor pelas crianças.
Aprendi a importância dos mais humildes,  de tanto posicionar o pastor e suas ovelhas no mesmo espaço reservado ao nascimento do  Filho de Deus .
Aprendi a amar os animais , o jumento e a vaquinha , porque os vi aquecendo Jesus ,  anos e anos , nos presépios da minha casa.
Aprendi a olhar e admirar o céu , a areia , os coqueiros , visitando o presépio que , na vitrine das  Lojas Diederichsen , era   tradicionalmente visitado pelas pessoas que passeavam pela cidade nos dias que antecediam o Natal.
Aprendi , com o plantio antecipado    das sementes de arroz , ainda em casca ,  que existe um momento certo de plantar,  para que brotos saudáveis e resistentes possam agüentar o passar dos dias : assim era  obtida a erva verde que permeava  as dunas de areia , do presépio de imagens quase em tamanho real.
Tenho certeza de que Suzane  Louise von Richthofen nunca viu e nem participou na montagem de um presépio ao lado de seu pai , Manfred.
Ela sempre teve tudo , ou quase tudo . Faltou algo  : talvez um presépio.
Termino de escrever este artigo e já começo a pensar no meu presépio 2006,    desejando que cada leitor   faça  de seu coração uma manjedoura onde o Cristo possa renascer , mais uma vez  , ou até nascer , quem sabe , pela primeira vez , de uma série de muitas.


Tórtoro
Enviado por Tórtoro em 19/12/2005
Código do texto: T88416
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tórtoro
Ribeirão Preto - São Paulo - Brasil, 67 anos
176 textos (27932 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 18:04)
Tórtoro