Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CAÓTICA

Pai, parece gloriosa à solene figura da sua formosa e, duvidosa senhora, cuja endógena áurea perdida, e jactância benévola, não se aglutinam neste banido apogeu. Quem as integrará à lepra esotérica, mística, profética, rumo ao paraíso daqueles antigos judeus?
Todavia, a marola elétrica, ata-se dias a fio! Há flores, sucumbindo úmidas - demasiado romantismo -, correndo, urgindo,.. São violetas epiléticas, suicidas!.. Anáforas camicazes, disparatadas, censurando ceticamente o prólogo da contemporaneidade - crônica caótica -. Poupam jugulares; sagram-se carótidas!
“Pai, perdoe-os, não sabem o que falam”!.. Já que mapeados em geografia inóspita, ocular, avariada num cotidiano inaudito, que oco e desgastado, deram-se à masturbações no tempo real... Num reality show trágico!
RODRIGO PINTO
Enviado por RODRIGO PINTO em 06/04/2005
Reeditado em 17/05/2005
Código do texto: T10114
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
RODRIGO PINTO
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 98 anos
316 textos (19099 leituras)
2 e-livros (908 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 16:08)
RODRIGO PINTO