Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Fascínio e Tédio

Rosa Pena


“Os seres humanos sempre necessitaram de uma saída da realidade, onde seus desejos se realizem e se dê vazão a todos os acontecimentos por nós tão ansiados e produzidos”  .
 
Foi na TV Tupi, primeira televisão da América Latina, que as novelas ganharam cara e corpo. A primeira foi ao ar em 1951, exibida apenas duas vezes por semana. "Sua Vida Me Pertence" interpretada e dirigida por Walter Forster!
Teatro em casa para mais alguns, pois naquela época ter TV era tão luxuoso quanto ir ao teatro. Em 1963 estreou na TV Excelsior “Ocupado” com Tarcísio Meira e Glória Menezes, a primeira novela diária. Ela atingiu um público maior, pois a aquisição do aparelho começou a ficar mais acessível à classe média e junto veio o hábito da TV vizinha, TV compartilhada. No final dos anos sessenta (no Brasil) a TV virou imprescindível na vida de todos e passou a ser o item mais requisitado pela população. Ter ou não TV era um diferencial.

Os intelectuais blasfemaram contra o aparelho, especialmente em relação as novelas!
"Beto Rockfeller” escrita por Bráulio Pedroso, que ganhou o Prêmio Molière por sua peça teatral O Fardão levou a uma certa mudança de conceito sobre as telenovelas. Em "Beto” Braúlio trabalhou a imagem do ardiloso e explorou o malandro brasileiro.
A partir desse novo olhar a elite cultural foi mais benevolente, apesar das eternas restrições, que até eu que não sou elite faço. Vejo novelas, assisto TV, mas sempre dou uma peneirada.
Nos anos setenta a telenovela virou mania nacional. Vista diariamente e várias ao mesmo tempo em diversos canais. Discutida, curtida e logo esquecida, assim que outra começasse. Com livro é assim? 

Penso na Net que seguiu os passos do folhetim da TV. Uma revolução das comunicações que moldou uma nova geração e modificou os hábitos anteriores. Na Internet não só se assiste, cria-se, participa-se, interage-se. Um fenômeno onde também a intelectualidade  demorou a reconhecer, porém acabou subjugada.
Chat, Grupos virtuais e escritores proliferam! 
Em 2006 a Internet já estava com mais de 20 mil newsgroups! Mas  onde quero chegar?
Ao limite entre o fascínio e tédio.
Hoje muitos vêem novelas neste limite, porém não abrem mão de ver. Puro vício de ligar a TV.  
Será que aqui não estamos no mesmo limite? Não seria esta série de buchichos no virtualismo a fagulha da saturação? Eu não te leio porque tu não me lês, então não nos lemos. Amém! 

Não me eximo de culpa, pelo contrário, assumo. Na tentativa de inovação acabamos por pecar nos excessos. Vale tentar a redenção ou vem algo novo por aí?
Quem sabe a qualquer hora dessas não entramos de vez um na casa do outro através de um botão? 
Não sei o quanto eu aborreço vocês, acredito que muito, pois tiro por mim que eu ando bastante entediada com a invasão de meu correio, de minha privacidade, das repetições, das novelinhas sem as mãos de Bráulios Pedrosos

É um momento, talvez apenas meu, em que percebo minha saturação pelo virtual e junto com ela o espanto ou spam, pois eu adorava a Net. Acho que peguei um vírus de excesso de comunicação. Tenho receio de acordar com um e-mail ao meu lado. E você? Na dúvida me delete antes que seja tarde demais e eu me instale de vez no melhor lugar de seu sofá.

 

 

Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 07/04/2005
Reeditado em 07/09/2010
Código do texto: T10163
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
960 textos (1417602 leituras)
48 áudios (24767 audições)
33 e-livros (29000 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 13:03)
Rosa Pena

Site do Escritor