Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Manifesto Pessoal - Ao Vivo e a Cores

“A televisão me deixou burro, muito burro demais...”

Dias de folga, universo recheado de esperanças
O que fazer? O que dizer?
Não agüento mais assistir televisão!
Essa máquina maravilhosa, capaz de levar e trazer imagens
Essa máquina idiota, hipócrita e mesquinha, que, como
A Internet, se fosse usada de forma correta, seria de muita utlilidade.

“A mãe diz pra eu fazer alguma coisa mas eu não faço nada...”

É difícil aceitar a proposta do Sistema Vigente
Que nos quer amarrar, passar maquiagem em nosso rosto,
E forçar-nos a querer tudo o que vem, sem ao menos ter o direito
De resposta, de opnião, e de ação.
É complicadíssimo, querido.

“É que a televisão me deixou burro, muito burro demais...”

A todo momento é fácil e chatíssimo lembrar-se de
Algo visto na TV. De algo que ela te disse e você aceitou e guardou
Em seu cérebro frágilizado por tudo quanto é baboseira e abobrinhas
Ditos em rede nacional, em horário nobre, sem intervalos comerciais.

“Pois tudo que a antena captar meu coração captura...”

E o ódio se faz  fracasso, e aceita-se o mandado
Conscientiza-se que é necessário para uma vida, cujo lema
É ter $uce$$o e dinheiro. Então, depende-se dessa tela colorida
Esperando pela melhor programação.

“O sorvete me deixou gripado para o resto da vida...”

Por outro lado, o não-til de aceitação da proposta absurda
Traz-me o medo de um simples aparelho, paranóico, sento-me
Afinal, criado para isso, desde oitenta e dois, fui
E é muito difícil se livrar e um compromisso
Assumido sem consciência do perigo.

“Eu nunca li num livro que um espirro fosse um vírus sem cura...”

Pode parecer impossível, aos olhos que não querem enxergar
Mas pra mim, é próximo,e muito escorregadio
É possivel alcançar, o problema é segurar, agarrar e não soltar
Mas existem meios diversos de combate
E esses me darão, excitado, a vitória.

“Vê se me entende pelo menos uma vez criatura...”

E minha lenda pessoal não é paraplégica
Não tem fobias imbecis e não se polui com imagens
Demorada seja a queda de inimigo, e este, se curvará
Diante da chama da Vontade, entregando-se por querer puro.

“E nossa história, não estará  pelo avesso assim, sem final feliz, teremos coisas bonitas pra contar, e até lá, vamos viver, temos muito ainda por fazer, não olhe pra trás, apenas começamos, o mundo começa agora, apenas começamos...”

F. Pinéccio
13/JAN/04
02:28
 



Pinnas
Enviado por Pinnas em 22/01/2006
Código do texto: T102545

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do Autor da forma que segue: Fernando Pinéccio, editor do Megaphone Tabloid (www.portalmegaphone.com.br)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pinnas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 34 anos
46 textos (14843 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 11:58)
Pinnas