Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A desconexão interativa (The Postmodern Condition)

Gosto de observar e ouvir a água caindo no chão seco seja esse, apenas terra fofa, chão batido, concreto ou asfalto. É mágico fixar o olhar nas células sendo sugadas pela terra e algumas gotículas invisíveis a olho nu se evaporando.
Talvez esteja ai a simbiose do existir em contrapartida com o inexistente, porém, nesse caso a água existiu, então depois de ser sugada ao menos aquele líquido específico – isso porque estamos tratando do meu copo -, deixou de existir, ou evaporou-se? Podemos fracionar tudo em regras cuja solução seja a coerência do óbvio, para não usar termo pejorativo.
Para tudo temos frases que nos traz essa concepção fechada - Bom, nunca me canso de repetir a frase ‘a morte faz parte da vida’, porém mesmo ora tendo consciência disso os fatos nos pegam de surpresa e não encontramos saída para aquilo que parecia, podia e, possa ser tão óbvio, tão objetivo.
Mas penso que as coisas são assim propositalmente. Pois acredito que é preciso que estejamos presos para não sairmos no momento em que não podemos sair – um canal hídrico? Infância? Relacionamento? Leis? -, sei lá se isso se trata de destino. Hoje desacredito e acredito em tudo, até em mim mesmo.
Imaginemos a contenção numa escala perpendicular, ou seja, uma realidade que num determinado momento será surreal, senão, impalpável, mas que logo se encontrará para o tocante ao fato de existir, ou seja, formar uma realidade coesa.
Posso simplificar a vida do Pedro e da Carola, o Pedro gosta da Carola, mas ele vive em Guarulhos, trabalha em uma adega como recepcionista, é poliglota – estamos falando de francês, espanhol, italiano e inglês -, está cursando engenharia química em uma universidade federal e ainda não tem dinheiro para aquisição de seu carro próprio, apesar dos seus sete anos dedicados a carreira profissional, três a universidade, o que subtrairíamos nove anos dos seus 28 completos no dia 28 de janeiro deste ano.
Já a Carola tem 26, fala inglês e está cursando espanhol, com muita dificuldade, não porque ela não tenha condições para pagar o curso, mas é que não consegue se habituar com a pronúncia verbal da América Latina. Ela está terminando o curso de assistência social e pretende cursar relações públicas, por isso dedica mais de 1/3 do seu salário de recepcionista de call center à cursos de línguas. Tem cabelos negros, lisos sob altura do ombro, pele clara e olhos castanhos. Aprendeu a bordar aos sete anos, apenas observando sua mãe bordando no sofá. Numa determinada época colocou na cabeça que queria se casar, e que isso aconteceria logo, tratou de organizar e bordar o enxoval aos 15 anos de idade com a ajuda das tias Helena e Erondina, senhouras rondonienses típicas da região rural.
 Carola nunca saiu do seu Estado, conheceu Pedro na Internet, através de uma sala de bate-papo no portal da UOL, se identificaram pelos nicks, ela adorava Kid Abelha – isso há seis anos -, e ele de comida doce, seus respectivos nomes eram: Mel e Pintura Íntima. O assunto rendeu: aparências, sexo, drogas, sexo, idade, sexo outra vez, sexo, sexo, sexo, métodos contraceptivos, sexo, desejos, dinheiro, mentiras na Internet, música, rock, Kid Abelha, flan de chocolate, sexo, mel com aveia, sexo, mel sobre o corpo e sexo. Depois decidiram falar sobre o futuro, e já se imaginaram casados, mas ele precisava vê-la, ao menos em foto mesmo sem o rosto. As pernas e bumbum eram contemplativos. Ela não precisava disso, o discurso dele fez com que ela idealizasse a vida e a morte em menos de vinte minutos.
“Eu estou aqui há quilômetros de você, e se não fosse um desses fatos inusitados não estaríamos tão saudosos um pelo outro, certo?” Errado! O Adalberto tem a melhor das intenções e está a oito metros da casa dela.
“Te desejo tudo de bom, ótima percepção do mundo, coerência, amabilidade, emoções a flor da pele e muita atitude, contradições, paradoxos, e comedimento, porque de certa forma isso pode não ser a vida, no entanto, é o que nos faz senti-la”. Por que as mulheres têm que ser tão densas, se o que é bom de viver é curtir as coisas sem contextualização? (...)
Alguns passam por muito em curto tempo, outros levam anos para viver um único fato. A liberdade, por exemplo, vive correndo atrás de mim, e eu vivo correndo contra ela por estar preso em conceitos pragmáticos e dualistas talvez, não tenho respostas.
Túlio Henrique Pereira
Enviado por Túlio Henrique Pereira em 25/01/2006
Reeditado em 25/09/2006
Código do texto: T103775

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Túlio Henrique Pereira). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Túlio Henrique Pereira
Itumbiara - Goiás - Brasil
82 textos (10091 leituras)
3 áudios (823 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:11)
Túlio Henrique Pereira