Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Auxilio Funeral

Só rindo mesmo

Estava eu na minha última semana de férias tranquila em casa me preparando para tomar um delicioso café da tarde quando toca o telefone
Calmamente com aquela preguiça boa digo: Alô!
A voz do outro lado da linha fala com sotaque paulista bem carregado, é a "Senhora Fulana de tal?" dando o meu nome completo - meio assustada digo: SIM
Ela então se apresenta sendo do meu Banco e diz a frase tão conhecida: Esta ligação para sua segurança está sendo gravada.
- Suspiro, sei que será um daqueles intermináveis telefonemas.
Educadamente pergunto do que se trata e ela com a fala decorada parece mais vendedora de carnê do Baú tamanha enrolação.Começa a desfiar o rosário e diz estar vendendo um seguro do Banco que é diferente do que eu já possuo, esse é especial, dá direitos especiais como a devolução do dinheiro após um ano e contribuição à Previdência Privada e o inusitado: - me dará o direito de ter auxílio funerário de luxo...rrssss
Não conseguindo mais me segurar cai em uma sonora gargalhada, não conseguia mais falar,só ria e a voz carregada do outro lado da linha dizia: - A senhora está rindo mas é verdade isso é importante, auxílio funerário e ainda de luxo? a senhora não pode perder essa chance por vinte e nove reais mensais, menos que um cafezinho, dizia ela.
Eu estupefada ria mas ja com vontade de berrar.
 Prendi a respiração procurei pensar nas dívidas, algo que me deixaria preocupada e séria para poder encerrar aquele telefonema, o riso não me deixava falar.
Tiro e queda, pensar nas dívidas me fez voltar a real e a esteria do momento acabou, só consegui articular: -Querida, agradeço mas devendo ao Banco a última coisa que me importa hoje é o meu funeral e muito menos se ele será de luxo, desandei a rir de novo.
 É Brincadeira! o que mais me intrigou foi o argumento do Banco para atrair o cliente, FUNERAL DE LUXO! é deve ter quem se impressione, não eu, com certeza.
Inconformada a funcionária ainda pediu que eu pensasse para não perder a grande chance.Outro suspiro eu dei e só consegui lhe dizer:
 -Boa tarde querida, voltaremos a nos falar.
Desliguei ainda pensando: - Que mundo é esse que mal conseguimos viver o dia a dia e ainda nos querem vender funeral de luxo, a juros de oito porcento ao mês e até mais.
Gente!
Como dizia um amigo meu : - Que coisa !
Syl Signoretti
Enviado por Syl Signoretti em 27/01/2006
Reeditado em 19/01/2008
Código do texto: T104730

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Syl Signoretti
Itajubá - Minas Gerais - Brasil
933 textos (89325 leituras)
76 áudios (9216 audições)
1 e-livros (309 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 17:56)
Syl Signoretti