Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A MENDIGA

   Era uma noite quase fria, em junho de 48.
Parei para acender um cigarro e olhei, distraído, para as águas calmas da enseada, onde se refletiam as luzes da cidade.
   A praia de Botafogo estava  deserta, àquela hora da noite.
   Alguém tocou em meu braço. Interrompi minha meditação, para olhar aquela mão magra, aquele braço mal coberto por uma desbotada e rota manga de lã, aquele rosto minguado de olhos fundos, aquela cabeça despenteada e grisalha.
   -- Uma esmolinha, meu filho, pelo amor de Deus!.
   Examinei a mulher a meu lado. Era velha, muito velha. Trajava um vestido que talvez houvesse sido branco e um casaquinho de lã de cor indefinida. Seus pés procuravam , numa inútil tentativa, esconder sua nudez em chinelas rasgadas. Seus cabelos desalinhados caíam-lhe até os ombros, curvados ao peso dos anos. A boca, encolhida pela falta de dentes, realçava a proeminência do queixo fino.
   Procurei um níquel no bolso, enquanto a velha me examinava, com estranho interesse.
   Eu não tinha dinheiro trocado. Convidei, por isso, a mendiga a me acompanhar, para comer qualquer coisa. A fome, possivelmente, fez com que ela aceitasse o meu convite.
   Enquanto caminhávamos, a pobre mulher continuava a  olhar-me com insistência.
   De repente, num arrebatamento incompreensível para mim ((talvez uma estranha gratidão), apoderou-se de minha mão, cobrindo-a de beijos murchos e lágrimas ardentes.         Procurei, embaraçado,  retirar a mão presa entre as dela. Só o consegui, quando chegamos ao "café", onde a anciã, num instintivo impulso de vaidade, soltou-me para enxugar, na ponta do casaco, os olhos úmidos.

   O "café" estava quase vazio. Um dos "garçons" discutia, na pequena cozinha,  com o negro e beiçudo "mestre", enquanto o outro limpava, com um pano imundo, uma das mesinhas de mármore.
   Atrás do "caixa", o obeso e lusitano patrão lia um jornal, palitando os dentes. Em uma das mesas, quatro boêmios marcavam, em caixinhas de fósforos, os compassos de um samba.

   Ela comeu em silêncio. Terminada a frugal refeição, limpou, com o pequeno guardanapo de papel, a boca engordurada de manteiga e fitou-me com um olhar triste, misto de amor e de saudade.
   -- Você, meu filho, se parece muito com um moço que conheci há mais de cinqüenta anos...
   Acendi mais um cigarro, esperando a história que viria, fatalmente.
   -- Você me trouxe tristes recordações...   Sabe? Já fui rica e bela!... Estas mãos, -- disse, mostrando os dedos magros, -- já foram beijadas muitas vezes!...
   Deixou cair os braços, com gesto de desânimo e, novamente, examinou o meu rosto.
   -- Você se parece muito com ele!... --, como se estivesse falando sozinha.
   -- Conte-me a sua história, vovó!. -- falei com brandura.
   Ela pareceu olhar para um passado muito distante.
   -- Chamo-me Francisca e tenho setenta e cinco anos... -- começou.
........................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................
   Tudo começou um ano antes da proclamação da República.
   Francisca tinha quinze anos e cabelos pretos. Era bela. Seu corpo de mulher, oculto por vestidos de menina, era uma promessa de amor; seus lábios carnudos e vermelhos, eram uma constante sugestão de beijos; e seus olhos negros e inquietos, sorridentes e infantis, deixavam vislumbrar, no fundo de suas pupilas, toda a concentrada ardência do sangue brasileiro.
   Ela reunia qualidades que, dificilmente, apareciam juntas, naquela época, em uma mesma mulher: beleza, inteligência e cultura. A primeira, herdada de sua mãe, dona Cecília, descendente de espanhóis; a segunda, herdada de seu pai, o Comendador Menezes de Albuquerque que, por passatempo, exercia o cargo de  mestre na Escola Politécnica; a última, adquirida com a leitura dos tesouros que adornavam a biblioteca do luxuoso palacete onde vivia.
   (Pretendo usar esta crônica, futuramente, como prólogo de um romance sobre uma història de amor ocorrida na época da propaganda, conspiração e proclamação da República e que se chamará "Meu avô chorou...").














a
Julio Sayão
Enviado por Julio Sayão em 31/01/2006
Reeditado em 04/02/2006
Código do texto: T106397
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Julio Sayão
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 93 anos
65 textos (39436 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 00:13)
Julio Sayão