Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


Sem agenda e sem legenda 

Rosa Pena





Férias em Mauá. O passarinho vinha na minha janela todos os dias e comia os farelos dos biscoitos que eu displicentemente deixava por ali. Adorava o jeitinho dele de ciscar e ficava encantada com seu canto.
Para que voltasse sempre comprei ração. Veio só mais uma vez, provou e voou pra bem longe. Ditadura de canto perde o encanto.
Férias em Búzios. O menino- homem freqüentava a mesma praia que eu. Todos os dias pedia que eu tomasse conta de sua prancha quando ia dar uma caminhada. Depois entrava no mar, mas quem surfava era eu, nas ondas do seu olhar.
Um dia me antecipei e peguei a prancha assim que ele chegou. Tomou um susto igual ao passarinho. A partir dali virei salva- vidas em mar calmo. Entrei na faixa de segurança, coloquei maresia no peixe, perdi a onda.
Férias em Canoa Quebrada. Acordava cedinho e ia correr pela praia. O pescador diariamente parado lá com a cor e o olhar de jabuticabas maduras, prontinhas para serem saboreadas. Sempre quieto com um sorriso maroto. Um dia acordei e dei de cara com ele na porta da minha Pousada. Avisou que estava me esperando. Pra quê? Cadê o inesperado? Virei eu, desta vez, passarinho que voa longe, levei a prancha da sedução pra outros mares.
Ah! Não estou maluca não. Eu estou falando de amor simples, de amor que vai ou fica, amor fantasia, amor sem obrigatoriedade de "felizes para sempre". Sem agenda e sem legenda. Estou falando de amor dúvida, jamais certeza. Aquela coisinha gostosa de sentir, aquela aventura parecida com matar aula e ir ao cinema, que nem arco - íris na janela do escritório, que nem vento que leva o relatório seríssimo do chefe. Amor que se realiza num sorriso, num arrepio, num banho onde ele vira o sabonete, onde o protagonista é o prazer de imaginar como seria ou será. Não é reprimido, pois não corre o risco de aposta no definitivo. Amor moleque, que não cresce com o Calcigenol das certezas. Sem experiência, sem combinar com antecedência, sem viuvez. É só amor da vez, não menos amor por não ser de vez, até porque nada impede que ele seja infinito. Esse amor danado de bom, se vingar um bocadinho é passarinho cantando, é surfe no meio do expediente, é jabuticaba docinha! Se não vingar vira um lugar Chamado Notting Hill na memória. Dá sempre uma linda história onde a gente conta somente as glórias e desmente a saudade que o coração sente.


2006










Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 01/02/2006
Reeditado em 22/10/2008
Código do texto: T106812
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
960 textos (1420112 leituras)
48 áudios (24767 audições)
33 e-livros (29060 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:49)
Rosa Pena

Site do Escritor