CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

O PAI QUE EU NÃO TIVE

 

 

Minha mãe ao se separar de meu pai, não sabia que me esperava. Para seu desespero, viria mais um filho. À principio, ela rejeitou-me. Quando nasci fiquei direto no hospital e cada vez que ela ia me ver eu tinha uma doença diferente. Tudo acabou quando a esposa de meu tio disse para ela: “Esse menino só vai ficar curado quando você aceitar ele e der amor para ele. É isso que ele precisa.” Ouvido o conselho, ela tirou-me do hospital e colocou-me no hospital São Paulo – Escola Paulista de Medicina.

Eu perguntava à ela quando garoto, sobre meu pai, mas ela dava um resposta vaga. Então, cresci assim com essa grande lacuna. Cada dia dos pais na escola era muito triste. Tinha um avô; mas ele sempre teve preferências às netas. Assim foi indo a vida. Eu dizia sempre “não tenho pai!” Meu tio virava um bicho. Eu era bocudo: “não tenho mesmo!” um dia, o dito-cujo chegou a casa desse meu tio, eu estava lá. Estava também minha tia – irmã deles – falaram para mim: “Dá benção pro seu pai!” “Não tenho pai!”, respondi.

Após longos anos, meu tio estava com câncer. Meu pai então veio visitá-lo. Eu estava lá novamente. Ele chegou, eu estava de saída. Depois minha mãe disse: “Seu pai ficou na maior paixão porque você não falou com ele. Não chamou ele de pai.”

Um dia na minha prima, ele ligou para ela e ela disse: “Peraí que tem alguém que quer falar como senhor”, e passou para mim. “Alô!” eu disse. “ô meu filho! Que Deus te abençoe, que possa iluminar seu caminho...etecetara”

Depois daquele telefonema eu escrevi-lhe uma carta e disse tudo o que estava guardado aqui dentro.

“Não tenho raiva do senhor. Simplesmente não sinto nada. Sabe, o que eu esperava do senhor? Uma carta para saber se eu estava vivo, uma felicitação de parabéns, um feliz Natal, bom ano-novo. Queria que me perguntasse como estava na escola. Os parabéns por eu te passado de ano. Saber como estava minha vida. Não queria dinheiro. Queria o seu amor. Agora infelizmente há um abismo de 30 anos entre nós. Agora, depois de tudo que tive que enfrentar sozinho, sem você para apoiar, dar conselhos, brigar, fica complicado... “

Depois dessa carta, muitas coisas mudaram em minha vida. Era um silêncio e uma dúvida de anos...

“Espero que um dia, se eu for pai, ser um pai que o senhor não foi para mim...”

Por isso admiro aqueles homens que sabem realmente o que significa ser Pai.

 

FELIZ DIA DOS PAIS!!!  - 10/08/08


http://oglobo.globo.com/blogs/arquivos_upload/2008/04/86_
620-A%20M%C3%BAsica%20de%20Meu%20Pai.jpg

 

Gonçalves Reis
Enviado por Gonçalves Reis em 10/08/2008
Reeditado em 10/08/2008
Código do texto: T1122282

Copyright © 2008. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
Gonçalves Reis
São Paulo - São Paulo - Brasil
1153 textos (66155 leituras)
1 áudios (105 audições)
1 e-livros (50 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 01/09/14 18:02)