Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ARTISTA VIAJANTE

Encontrei J.Cláudio numa dessas rodoviárias da vida.

Ele reconheceu meu pai apesar de tê-lo visto apenas uma vez na vida, há muitos anos atrás, e se aproximou.

Negro fusco, esguio, banho por tomar, barba por fazer e um longo sorriso no rosto deram-me a impressão primeira de um maluco qualquer.

Os sessenta e cinco anos conquistados, com muita alegria e labuta, premiaram-lhe com o direito a viagens gratuitas nos ônibus interestaduais para os próximos cem quilômetros.

J. Cláudio, com o tempo, só ficou exigente quanto ao conforto da viagem, porque direito é direito e por isso, é capaz de esperar horas a fio por uma vaga nos ônibus executivos.

Não carrega nenhuma bagagem de mão, apenas duas pochetes agarradas à sua magra barriga e sua história.

Vestido com um terno cinza puído e empoeirado, uma camisa branca dura e já amarelada pelo tempo e uma gravata listrada, J. Cláudio me fez lembrar Chaplin.Sua figura lhe faz parecer um vagabundo, entretanto, J. Cláudio é um músico, é um artista.

A cada cem quilômetros, ele é capaz de renascer e recomeçar e em suas pochetes carrega toda a sua história e todas as suas relíquias: um bilhete de alguém, um retrato 3 X 4 de um conhecido, um documento velho e rasgado com foto de um velho amigo. Tudo envolvido em papel de seda, guardado com o esmero de quem carrega algo muito valioso.

J.Cláudio não tem um cão, não tem família, só tem a arte como companhia e a próxima chegada a cem quilômetros.

O motorista do ônibus acena para ele, chegou a hora. Lá vai J.Cláudio sem rumo, sem ninguém. Ele segue adiante, sempre em frente, sem parar para esperar o que possa acontecer.

Forasteiro, lá vai ele sem destino, caminhando passo a passo sem saber onde vai dar, olhando o mundo com outros olhos, vendo com carinho a sua vida refletida na paisagem diante de seu olhar.

J. Cláudio não pensa em nada, continua a caminhada e nem se lembra de se cansar. E quando o seu corpo em frangalhos reclama, J. Cláudio arruma um tempo para o sono lhe reparar, mas não pára.

Existem muitos cem quilômetros pela frente e a arte e o artista precisam continuar.
Rosa Berg
Enviado por Rosa Berg em 21/02/2006
Reeditado em 22/11/2008
Código do texto: T114479

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Rosa Berg
Juiz de Fora - Minas Gerais - Brasil
509 textos (71859 leituras)
30 áudios (5857 audições)
2 e-livros (2212 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:33)
Rosa Berg