Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
                    É carnaval em Salvador


         
   Com o dia amanhecendo, recebi no meu gabinete, os jornais da cidade. As folhas anunciavam que já era carnaval em Salvador. 
        Liguei o rádio, e constatei que as gazetas tinham razão:  nas AMs e FMs só rolavam músicas que mexem com foliões; e até levam alguns ao delírio!!!

          Músicas, aliás, muito ruins. 
          Senti saudade das marchinhas, não digo do tempo de Ó abre alas, da Chiquinha Gonzaga, nem do Zé Pereira, mas da época de Chiquita bacana, do Braguinha, ainda vivo, e certamente decepcionado com o que se toca, e com o que se canta, nos carnavais d´agora...
         Oh! Os carnavais d´outrora! Como eram legais!

         
"Um pierrô apaixonado
           Que vivia só cantando
           Por causa de uma colombina
          Acabou chorando, acabou chorando" - assim cantava Noel.


          Liguei a televisão, e fiquei sabendo que os primeiros blocos estavam prontos para entrar na avenida; que poucas lojas do centro deviam abrir suas portas; que os bancos estavam lacrando seus cofres, e que ficariam fechados até quarta-feira de Cinza.

          E ainda: que algumas ruas, próximas ao Farol, seriam aos pouco bloqueadas, sob ruidosos e justos protestos dos moradores da Barra, na maioria vítimas da bagunça provocada por foliões ousados, que quebram, inclusive, a dignidade de um dos bairros mais queridos da capital baiana.

          E mais: que o Pelô já estava todo decorado; que pelas poucas barracas da Praça Castro Alves apareciam os primeiros amigos do copo; e que a Polícia Militar, o Juizado de Menores, e os hospitais haviam entrado em regime de prontidão. 
         Por último, que a iluminação, no circuito da folia, estava OK, com a garantia da Prefeitura.
         Vejam: tudo pronto, e ainda é quinta-feira! 

          É isso aí. Foi-se o tempo em que só se pulava carnaval domingo, segunda e terça-feira, ou seja, no chamado tríduo momesco. Sou dessa época.
 
        Aqui em Salvador, essa canora e saltitante metrópole, a fuzarca carnavalesca começa cedo! Até na Lapônia já se sabe disso. 
        Lembrando, que alguns blocos tribais, freqüentados por foliões irreverentes, ainda invadem, cinicamente, a quarta-feira de Cinza. 
        E o que é pior, cantando o Hino do Senhor do Bonfim, sob o argumento de que, desta forma, estarão encerrando, "baianamente", o carnaval. Será?

          A Igreja Católica brigou, brigou, mas não teve força suficiente para calar os timbaleiros e os trios elétricos irreverentes e inconseqüentes: eles vão continuar desrespeitando o primeiro dia da Quaresma; atrapalhando - e não digam que não - os que querem fazer, na intimidade das suas igrejas, suas orações.
 
          Escancarei as janelas do meu apartamento, e vi que o sol também tinha entrado no clima entrudesco: estava brilhando como nunca.

        E o mar, quase aos meus pés, também havia enlouquecido: as ondas pululavam como se estivessem atrás de uma dessas charangas barulhentas que, no carnaval soteropolitano (arre!), arrastam o folião pipoca, com ou sem máscara; fantasiado, ou vestindo, orgulhoso, a camisa do seu Bahia ou a camisa do seu Vitória.
 
          Aviões cruzavam os céus da Pituba trazendo centenas de turistas. 
         Todos, com seus abadás caríssimos nas mochilas, prontos para caírem de alma e corpo - com este principalmente -, no carnaval de Salvador, a cada ano mais diferente. 
        Para muitos, um carnaval desfigurado: perdera a simplicidade e a espontaneidade que, desde Pedro Álvares Cabral, o caracterizava.

          Convencido de que já era carnaval em Salvador, desliguei o rádio e a televisão, e joguei os jornais na cesta do lixo. 
          Em seguida, mergulhei no silêncio, quase claustral, do meu gabinete, e passei a recordar as Odaliscas e as Colombinas que conhecera, na minha última batalha de confete. Eu, naquele carnaval, um pierrô apaixonado; parecido com aquele da marchinha do Noel...
Felipe Jucá
Enviado por Felipe Jucá em 23/02/2006
Reeditado em 28/01/2008
Código do texto: T115221
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Felipe Jucá
Salvador - Bahia - Brasil
636 textos (171105 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 15:01)
Felipe Jucá

Site do Escritor