Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

“E o pior é que é”


Seu Zé era uma homem cético, pelo menos ao meu ver com relação a eventos da natureza. Sabia colocar tijolos sobre tijolos em construções mirabolantes e o fazia sempre com muito esmero. Era nordestino do “interior brabo”, mal levantava a cabeça, mal se pronunciava. Pra ele tudo estava sempre bom. Tinha belas filhas e uma esposa meio “avexada”. Numa das vezes em que houve um eclipse lunar ele estava passando uns dias conosco. Eu lhe disse que naquele dia, ou melhor, naquela noite a lua iria sumir através do efeito do eclipse. Primeiro tive que explicar-lhe de maneira científica e prolixa o significado desse evento. Depois quis convencê-lo de que de fato iria ocorrer. Não acreditou. Não sei se por falta de compreensão, por ser cético, ou por pirraça mesmo. Disse-me que queria ver com os próprios olhos. A noite foi passando e eu e seu Zé aguardávamos na varanda de casa aquele momento “mágico”. O que eu achava mais engraçado era que ele olhava pro céu como se estivesse aguardando a volta do Messias ou o fim do mundo, tal era a expectativa e desconfiança que se misturavam em seu olhar. Por mais que eu tentasse convencê-lo de que aquilo se tratava apenas de um acontecimento natural, para ele seria no mínimo sobrenatural.

O tempo foi passando e nada da lua sumir. Seu Zé olhava pra lua, olhava pra mim. Olhava pra mim, olhava pra lua e, fazendo cara de “esse menino quer me enrolar”, aguardava pacientemente o momento em que eu dissesse que tudo aquilo era uma brincadeira. Mas não tardou muito e a lua começou ser “comida”, conforme expressão por ele mesmo usada. Em alguns minutos a lua sumiu e seu Zé, não dispensando sua frase típica, pronunciou: “E o pior é que é!”. Eu, sinceramente, esperava de sua parte uma reação mais entusiasmada acompanhada de palavras novas... Mas, nas verdade, não foram as palavras que falaram, foi a cara de bobo de seu Zé olhando pro céu, agora menos descrente da mágica dos astros e do cosmo. Espalitava os dentes sentado num tamborete e sussurrava: “E o pior é que é””. Gostávamos dele pela simplicidade de sua pessoa. Era um homem pacífico e trabalhador. Sempre de bem com a vida. Foi ele quem construiu nossa casa em Caruaru.

A seu Zé, dedico essa lembrança.

Josué Mendonça
Enviado por Josué Mendonça em 26/02/2006
Código do texto: T116319
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Josué Mendonça
Salvador - Bahia - Brasil, 36 anos
52 textos (2263 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:30)