Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Viagem de ônibus

Quem um dia fez uma viagem de ônibus – não essas que duram poucas horas, mas as mais longas, as que duram mais de um dia -, sabe quantos acontecimentos se desenrolam do seu início ao fim.

Tudo começa no embarque. Toda aquela gente amontoada, uns à porta do ônibus querendo logo entrar – como se lá dentro houvesse um prêmio ao que primeiro adentrasse -, outros com suas malas, caixas e sacos de todo tipo, competindo pelo melhor local no bagageiro do veículo. Não sei se toda essa algazarra, tamanha ansiedade, é fruto do medo de se perder o ônibus ou, antes de tudo, da imensa vontade de se sentir integrado à viagem, o sentimento comum de se sentir passageiro de ônibus.

Já dentro do veículo, é hora de procurar o local do assento, verificando de forma atenta os números das poltronas, contando um a um se possível ( aqui é 1 e 2; mais a frente, aqui é 6 e 7...), mesmo sabendo que o número a se chegar é do 20 em diante... Faz parte da integração! E confesso que não existe local mais congestionado do que corredor de ônibus na hora do embarque!

É justamente nesse momento, no embarque, que fato não muito raro acontece. Ao chegar no número de sua poltrona – sim, é o mesmo da passagem – você encontra sentado, já bem à vontade, um indivíduo. Você então o chama, e indaga se aquela prontrona é realmente a dele. A figura, totalmente sem escrúpulos – que obviamente entrou no ônibus antes de você para armar a situação -, começa a esbravejar: “É um absurdo, duas passagens iguais... Essa empresa é irresponsável... Como pode vender duas passagens pro mesmo ônibus?” Alguns segundos depois, ele olha pra você e diz: “Olhe, não tenho nada a ver com isso, eu cheguei primeiro!” Um verdadeiro cara pau! O problema só é solucionado com a presença do fiscal ou do próprio motorista, que conferindo meticulosamento o bilhete de passagem, comprova o erro, ou melhor, a artimanha do passageiro que por algum motivo perdeu o ônibus do dia anterior e quis embarcar de gaiato no ônibus do dia seguinte.

Todos acomodados em suas poltronas, resolvidas as querelas iniciais... Agora sim, vem o motorista dar a todos as boas vindas e algumas importantes instruções sobre a viagem ( já que não se pode viajar sem elas!).

E a viagem começa, motores ligados, pneus na estrada, e lá vamos nós...

De início tudo parece calmo, cada passageiro em seu devido lugar. Uns logo começam a tentar dormir, na esperança de o menos possível compartilhar dos acontecimentos que estão por vir. Os demais se entreolham num primeiro contato.

Pode-se até fazer amizades num ambiente desses, afinal, não esqueçam, a viagem é longa...

Alguns quilômetros rodados e já começamos a distinguir cada um dos protagonistas de nossa odisséia terrestre. O primeiro, e mais comum, é o “passageiro cantor”, aquele indivíduo que, de posse do seu novo discman, repassa a todos, em alto e péssimo som, a música da vez – que também num é lá essas coisas!

Outro passageiro bastante conhecido é o que posso chamar de  “O contador de histórias”. É o cara simpático ao lado que logo puxa conversa e não pára mais. Geralmente conversa em voz alta para que todos do ônibus possam ouvir suas histórias mirabolantes. Um verdadeiro xarope!

E a mulher com as crianças? Ahh! Essa não poderia faltar. Viagem sem ela e seus pentelhos pode ser de qualquer outro tipo, menos viagem de ônibus.

É um pula-pula na poltrona, corre-corre pelo corredor, puxão na poltrona do passageiro da frente... Uma verdadeira zorra! E a mãe ali, como se nada estivesse acontecendo.

Terminado o dia, a noite chega, e com ela mais um distinto passageiro, até então desconhecido, revela-se, para agonia de quem está na poltrona ao lado: o “roncador”.

De todos é o que mais mal faz a seu par, o vizinho da poltrona. Ronca a noite toda, isso quando não satisfeito, resolve pender para seu lado – e é sempre para o seu lado, nunca para o lado contrário - e fazer de seu ombro travesseiro. Aqui cabe uma dica: Umas boas cotoveladas nunca  é demais!

Quando amanhece, ele acorda como se nada houvesse acontecido, e ainda te dá um bom dia!

Agora, prestem bastante atenção no que vou lhes dizer; é importante: cuidado com o que vocês comem nos restaurantes de beira de estrada. Ocasionalmente, vocês podem se tornar num personagem inesquecível: “o abominável frequentador do banheiro de ônibus”! E não preciso dizer o porquê, né?

Bom, depois de muitas e muitas horas, a viagem chega ao fim. Muitos estão exaustos; outros, aliviados. E eu, que sempre fui um bom observador, despeço-me da viagem sem olhar para trás, para que não tenha mais o que contar!
Nairton de Aquino
Enviado por Nairton de Aquino em 09/03/2006
Reeditado em 23/04/2006
Código do texto: T120998

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nairton de Aquino
Fortaleza - Ceará - Brasil, 39 anos
31 textos (16065 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:28)
Nairton de Aquino