Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Eu quero ter um milhão de amigos...

Aproveitando as férias escolares, fomos passar uma semana na praia da Barra do Itapemirim - ES. Estavam em nossa companhia o Dito, meu cunhado, sua esposa Sônia, a filhinha Juliana e Sara, menina-moça, irmã de Sônia.
 Cidade sossegada, povo tranqüilo e muito sol (que bom!). E era rotineira  nossa programação: de manhã praia  e, depois do banho, aquele  almoço gostoso – comida caseira -  no restaurante do Celsinho. À tarde,  a soneca não podia faltar e, à noite, íamos com as crianças para a praça central da cidade, onde a meninada tinha o direito de escolher os  sabores  para as duas bolas de sorvete.
O Cássio, com seus quatro  aninhos, assim que acabava  de tomar o sorvete, subia na tampa da caixa  do registro d’água, que havia no centro da pracinha,  e cantava, soltando a voz no último volume e sem o menor  acanhamento, a música do Roberto Carlos: “Eu quero ter um milhão de amigos!...”
Certa vez, nosso dia foi diferente. Era domingo e fomos comer uma peixada no Restaurante “Meu Barquinho”, que também ficava na Praça. Todos  saboreavam a comida  menos o Cássio que sempre detestou peixe. E não tendo o que fazer, ficou brincando ali por perto, ora debaixo da mesa, ora correndo no restaurante. De repente, demos falta dele.    Olhamos ao redor e não o encontramos. Procuramos na praça e nada. Aí, então, acabou nosso almoço. Fomos até à praia, rodamos a cidade  e nenhuma pista dele. E foi aquele sofrimento.
De repente,  vejo uma senhora que  segurava  a mão de uma criança,  e que acabara de virar a esquina  de uma rua bem distante. Foi questão de segundos, mas mãe conhece seu filho, estando de frente, de costas, longe, perto,  de  todo jeito. De carro, chegamos rapidinho e bem a tempo. A boa senhora, vendo aquele menino perdido, deu-lhe a mão e ia levando-o para um estádio, onde ela  pensou estar o pai  dele, assistindo ao futebol. E aí seria bem mais demorado para  encontrá-lo. Graças a Deus! Depois de crescido, ele contou que seguira um cachorrinho e depois não soube achar o caminho de volta.




fernanda araujo
Enviado por fernanda araujo em 11/03/2006
Reeditado em 16/09/2006
Código do texto: T121664
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
fernanda araujo
Divinópolis - Minas Gerais - Brasil
1058 textos (204330 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 05:12)
fernanda araujo