Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

crédito da foto:www.enfemenino.com/ album/see_106811/Portinho- (Cidade de Setubal - Portugal)

O Brasil e Portugal, países irmãos, têm muitas histórias interessantes, quase sempre desconhecidas da imensa maioria de nós leitores. 
Ao receber um e-mail de meu amigo português Antonio Serrano, lá de Setubal, Portugal, fiquei curiosa quando ele me dizia que sentia-se como em 2ª feira de sapateiro.

Para elucidar o significado desta sensação, ele enviou-me então a seguinte  explicação, que divido aqui como uma bela curiosidade e informação. 


"
SEGUNDA-FEIRA DE SAPATEIRO"
Antonio Serrano

Esta língua pátria (porque não língua mátria?
machismos?!) lança-nos na "eterna dúvida" (outra
estória ou história bem divertida...) 

"No tempo em que os animais falavam..." ou "quando
Deus andava pelo mundo..." - assim começavam os
contos/estórias/histórias que a minha avó materna me
contava e com que me encantava, há muitos e muitos
anos, os homens organizavam-se em corporações com seu
estandarte, santo padroeiro e dia de festa,
normalmente regada com copos de tinto, ou branco, ou
verde, ou maduro (vinho, claro, ou escuro também se
fosse tinto... esta língua pátria/mátria traiçoeira).

Assim os carpinteiros tinham o seu S. José, os
Pescadores o seu S. Pedro... 

Só os Sapateiros não gozavam de um dia para festejar o seu Santo, o que lhes causava grande privação e/ou provação. 

Uma vergonha para a classe. 

Padroeiro tinham, S. Crispim, mas em que dia festejá-lo?

As opiniões dividiam-se e apenas uma pista: a última referência certa conhecida, uma incerta segunda-feira. E se o ano tem 52 desses dias de começo de semana de trabalho! Uma fartura!!! 

Não ter nenhum para festejar ou ter tantos? 

A escolha foi fácil: se não há dia certo celebram-se as 52
segundas feiras do ano.

Uma festa pegada, a que só se sucederia o carnaval do Rio de Janeiro.

Não, esta do carnaval não faz parte da história/estória.

E daí para diante, os sapateiros prolongaram o fim de semana e, hoje, sempre que um de nós, e somos muitos, vai com
preguiça para o trabalho, o que acontece quase sempre,
com o corpo a puxar para a festa e/ou para o descanso,
exclama:- Oh! Sinto-me em "2ª. feira de sapateiro". 

Isto desde o tempo em que os animais falavam, ou mesmo
desde quando Deus andava pelo mundo...

Rosa Berg
Enviado por Rosa Berg em 16/03/2006
Reeditado em 16/03/2006
Código do texto: T124036

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Rosa Berg
Juiz de Fora - Minas Gerais - Brasil
509 textos (71889 leituras)
30 áudios (5857 audições)
2 e-livros (2212 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 09:16)
Rosa Berg