Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

21 GRAMAS

ESQUEÇAM AS HORAS. O corpo já foi levado. O azul da noite ainda estampa o rosto. Boca muda poeira. Ausentes versos, palavras, sons. O maxilar articula contra a vontade. Do corpo. Versos transmitem desejo. Suas mãos tateiam meu sexo. Sua língua saliva. Eu mudo. A seus pés.
Noite passada tomamos todos um porre & fomos brincar de divindades no canteiro central da rodovia. A rádio ainda sintoniza canções da moda, a rua já limpa do mal-cheiro da feira livre contradiz o silêncio. Agora sabemos com quantos buracos se enche o Villa D’Aldeia. Divagamos sobre os cadáveres da vanguarda – parafraseando Ferreira Gullar - e como dar sobrevida às múmias da cidade-dormitório.
Lembro-me de Ana C., poeta que se matou pulando de um prédio. Esqueçam as poesias de amor. Quanto pesa o amor? Esqueçam as horas. O corpo já foi levado.
A morte não usa luvas de pelica.


Wallace Puosso

LEIA MAIS SOBRE O AUTOR:
http://celebreiros.zip.net
Wallace Puosso
Enviado por Wallace Puosso em 16/03/2006
Reeditado em 13/04/2009
Código do texto: T124158

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wallace Puosso
São José dos Campos - São Paulo - Brasil
42 textos (1362 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 05:46)
Wallace Puosso