Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SINUCA DE BICO.

Eis aqui esse sambinha feito em uma nota só, mais uma das
vozes da "guerra que pré-existiu sob a hipocrisia do céu de anil". E isso já se tornou "produto"; milhares de pessoas vivendo da violência e na e da marginalidade diretamente, centenas ou milhares de pessoas vivendo indiretamente da mesma violência, da divulgação, literatura e comentário da patologia e cancro social.
Tenho alguns alunos, donos ou que trabalham em Empresas de
Vigilância. Outros em Seguradoras, outros são policiais ou militares.
Outro dia, de passagem, eu via na TV um daqueles programas de final de tarde que faz reportagens ao vivo sobre a violência em São Paulo: televisão, câmeras, motoristas, pilotos de helicópteros, editores, repórteres de campo, comentaristas de estúdio, etc. etc., um aparato imenso, um investimento bastante alto,um público que faz disso os best-sellers,interagindo ou dando seus depoimentos ou comentando
por telefone ou e-mail sobre a cena real que era mostrada,e me perguntei sobre o que toda essa gente estaria fazendo se não houvesse a violência que lhes supre de assunto, salários e atividade.
Versão atual do circus romano, cheia de bichos e homens-bicho.
Essa gente condena a marginalidade de fato? ou são hipócritas todas aquelas expressões de indignação, crítica e repúdio?
Agora o hip hop. Nessa escalada desde a década de 50, que é de onde eu me lembro, do Caso Ronaldo (com Ibrahim Sued ou David Nasser(?)), As Caldeiras do Diabo, Getúlios, Gregórios e Lacerdas, Bandidos da Luz Vermelha, Noivinhas de Copacabana, delegados Fleury,estereótipos ou meras sugestões e insights para as alcunhas Zés do Caixão, "lurdinhas" dos Tenórios Cavalcantes, Os Cafagestes, Papillons, Centrais do Brasil, Alcatrazes, e tudo isso que inunda o nosso dia-a-dia e muito mais que sei que existe e não sei citar, por não me ligar no assunto e não gostar do gênero.
A questão é: há simbiose - e público, mercado e Columbias Pictures e tvs Globos e outras - patrocinadores não faltam.
Banalização - o corpo anestesiado suporta dores que não suportaria sem anestesia. Ultrapassado o limiar da dor, mais dor não é sentida.
E na contra-mão dialética: não ver e não falar, é coisa para
avestruzes piegas e também hipócritas - uma sinuca de bico.
Portanto desculpe invadir o seu domingo com essa droga que escrevi.
Marco.

O texto acima foi comentado anteriormente por LM, poetisa amiga do Recanto, que leu também a entrevista que colo a seguir, concordando com a invasão com cultura, educação e saúde das favelas brasileiras, e dentre outros comentários sempre inteligentes, citou Beto Guedes: "a lição sabemos de cor, só nos resta aprender".


Repasso o que recebi.

Assunto: vale ler
Data: Sat, 18 Mar 2006 23:35:04 -0300

Repassando...

ENTREVISTA – MV BILL

Rapper lança documentário, livro e álbum sobre meninos do tráfico

O projeto “Falcão – Meninos do Tráfico” promete ser um soco no estômago de milhões de brasileiros. O trabalho é resultado de uma pesquisa iniciada em 1997 pelo rapper MV Bill e seu produtor, Celso Athayde.

Nelson Breve – Carta Maior

RIO DE JANEIRO - “Eu trafico para ajudar minha mãe. Eu sei que ela não gosta, mas eu trafico para ajudar ela”, conta o pequeno Falcão para a câmera que lhe enxerga com humanidade.

Garotos com menos de 15 anos, segurando armas pesadas para vigiar os pontos de tráfico de drogas em favelas de 20 capitais do Brasil. Eles falam da infância miserável, da vida marginal, dos sofrimentos, da discriminação e da guerra que banalizou a morte violenta na sociedade brasileira. Falam com carinho das mães, com revolta dos pais, dos seus sonhos e do futuro, que sabem: será curto. Quase todos estarão mortos dois anos depois. As imagens de seus corpos baleados e da família inconformada também serão mostradas no documentário de 58 minutos que a TV Globo exibirá neste domingo (19) durante o Fantástico.

“Falcão – Meninos do Tráfico” promete ser um soco no estômago de 50 milhões de brasileiros. O trabalho é resultado de uma pesquisa iniciada em 1997 pelo rapper MV Bill e seu produtor, Celso Athayde. Durante seis anos, eles aproveitaram o calendário de shows para percorrer comunidades de todos os cantos do Brasil com uma câmera digital na mão e uma idéia na cabeça: registrar depoimentos e imagens dos garotos que trabalham no tráfico com o olhar de quem busca compreendê-los e não condená-los. São mais de 200 horas de gravação, segundo Athayde.

Desse material, 90 horas foram disponibilizadas para a Globo fazer uma primeira edição.O documentário deveria ter sido exibido em agosto de 2003. A emissora fez uma ampla divulgação, mas, poucos dias antes do programa, MV Bill e Athayde suspenderam misteriosamente a autorização, alegando motivos pessoais. A atitude provocou especulações. Chegaram a desconfiar de que eles tinham sido ameaçados por chefes do tráfico. Também se comentou na época que haveria um interesse comercial da Columbia Pictures nas imagens cedidas à TV Globo.

Dois anos e meio depois, a Globo volta a investir pesado na divulgação. Fala-se em R$ 20 milhões em propaganda nos diversos meios de comunicação de todo país. O objetivo da emissora é uma incógnita, mas o dos produtores é mostrar o outro lado de uma realidade que a sociedade conhece pela metade. “O projeto Falcão é uma reflexão sobre segurança pública do ponto de vista de quem nunca falou. Não é para tornar os meninos do tráfico heróis, muito menos vilões. É para torná-los mais humanos e discutir a questão do ponto de vista de quem é vitima e de quem é culpado”, explica Athayde, um ex-menino de rua, que morou na favela do Sapo, em Camará, e descobriu no movimento hip hop um instrumento de luta contra a discriminação racial e a desigualdade social.

Buscando talentos nas favelas do Rio, ele encontrou MV Bill, um jovem rapper com idéias parecidas com as suas. Os dois pensam que ficar só no discurso e na denúncia não leva a nada. Eles acreditam que o movimento tem que partir para a ação. “Hip hop não é um movimento musical, é um movimento de jovens negros de periferia”, explica Athayde. “Nós queríamos mudar a linguagem. Tinha muito discurso e não tinha prática. Podia se transformar em mais um indústria de denúncia e não ter alternativa”, acrescenta o produtor na conversa que teve com a CARTA MAIOR na última quinta-feira, a caminho da Cidade de Deus para encontrar com MV Bill.

Nessa perspectiva, eles criaram a Central Única das Favelas (CUFA), entidade que organiza um festival anual de hip hop (Prêmio Hutúz), que já foi incluído no calendário oficial da cidade do Rio de Janeiro. Com apoio de instituições governamentais e não-governamentais, a CUFA está construindo em Madureira um centro cultural e esportivo para formação da identidade dos jovens ligados à cultura hip hop. O investimento inicial é de R$ 4 milhões. Lá, eles pretendem ampliar o trabalho que vem sendo feito há anos com jovens das comunidades do Rio, em atividades como basquete de rua, grafite, música e audiovisual.

Assim surgiu o projeto Falcão, que só recebeu esse nome muito depois, quando eles verificaram que a autodenominação dos garotos que servem como soldados para proteger o tráfico nas favelas tinha se espalhado pelas comunidades de várias regiões do Brasil. MV Bill descobriu também que a realidade que ele conheceu na infância na favela da Cidade de Deus é a mesma não só dos morros do Rio de Janeiro, mas de todas as periferias de Porto Alegre a Manaus. Os garotos estão sendo aliciados pelo tráfico porque não encontram outras perspectivas de uma vida mais estimulante, embora mais curta. “Vimos em todas as nossas cidades os meninos encontrando no tráfico de drogas o caminho para sobreviver”, conta MV Bill.

Além do documentário a ser exibido pelo Fantástico, o projeto Falcão tem outros lançamentos previstos. Na próxima segunda-feira (20), MV Bill e Celso Athayde colocam nas livrarias o livro “Falcão – Meninos do Tráfico”, que conta os bastidores das filmagens misturados com impressões que eles tiveram em outros momentos relacionadas com a discriminação e a desigualdade. A obra já sai como best-seller, assim como o livro anterior, Cabeça de Porco, que também foi inspirado no projeto e foi escrito em parceria com o sociólogo Luiz Eduardo Soares, ex-secretário Nacional de Segurança Pública. Já foram impressos 100 mil exemplares, que estão sendo distribuídos pela Editora Objetiva.

Em 18 de maio, MV Bill lança seu terceiro CD, “Falcão – O Bagulho é Doido”. Assim como o disco anterior, Declaração de Guerra, as letras foram todas escritas no período em que os depoimentos dos meninos foram colhidos. Em 12 de outubro, Dia da Criança, a Columbia Pictures faz o lançamento do documentário Falcão – O Sobrevivente, com imagens diferentes das exibidas pela Globo. O filme, com cerca de duas horas de duração será exibido em circuito internacional.

O nome é uma referência ao fato de que dos 17 garotos que seriam o fio condutor do documentário, 16 morreram em um espaço de dois anos. O sobrevivente escapou da sina dos falcões porque está preso. “O filme era para falar sobre a vida dos meninos. Acabou falando sobre a morte. Quando soube que o último sobrevivente havia sido preso, agradeci a Deus pela prisão. Era uma forma de garantir a vida dele”, revela MV Bill nesta entrevista exclusiva à CARTA MAIOR.

CARTA MAIOR - Como surgir a idéia do documentário?
MV BILL - Quando começamos nossa pesquisa, entre 97 e 98, vi muita coisa acontecendo com os jovens. Daí surgiu a letra de Soldado do Morro (do CD Traficando Informação, de 1999). Eu chamei o Celso Athayde para fazer o videoclip e entrevistamos vários garotos. Quando voltamos lá algum tempo depois, 80% dos jovens estavam mortos. Aí eu percebi que a música e o vídeo eram importantes, mas insuficientes para interferir na realidade. Então, começamos a filmar os garotos das comunidades das cidades onde íamos fazer os shows. Fomos identificando jovens que viam na criminalidade uma maneira de vida. A coisa foi acontecendo. Talvez seja a única oportunidade de retratar esses jovens de outra maneira, com outros olhos. Falar com eles e mostrá-los de uma maneira mais humana.

CM - O que mais te impressionou?
MB - Escolhemos 17 jovens como fio condutor do documentário. As falas deles eram muito ricas, sobre os sonhos, a vida, a família, o futuro. Disseram coisas que nunca tiveram oportunidade de dizer para outras câmeras. Percebi que, mesmo a droga, que é a tragédia de tantas vidas, é a sobrevivência de tantas outras. Fomos acompanhando o que acontecia com eles. Dezesseis morreram no espaço de dois anos. As mães deles, na hora mais difícil, ligavam para a gente dizendo “meu filho morreu, venham filmar, porque ele acreditava que o trabalho de vocês era importante”. O filme era para falar sobre a vida dos meninos. Acabou falando sobre a morte. Quando soube que o último sobrevivente havia sido preso, agradeci a Deus pela prisão. Era uma forma de garantir a vida dele.

CM - Sua experiência de infância na favela influenciou na proposta do documentário?
MB - O fato de morar na Cidade de Deus, ser nascido e criado lá, faz com que enxergue as coisas diferente. Não consigo ver como bandido quem brincou comigo quando era criança. Todos os meus amigos de infância estão mortos. Os que estão vivos são cadáveres ambulantes. Tive uma infância padrão para quem nasce em comunidade. Estudar até onde der. Conciliar estudo e trabalho. Uma hora tem que optar porque fica muito difícil. Na favela tem o que chamo de sonhos adiados. Descobri que o tráfico, de forma trágica, dá respeito, visibilidade. Andar com uma arma na favela impõe respeito. Todo mundo quer ser visível. Encontrei a música, mas ela não é o único caminho. É um dos caminhos. Não tem o mesmo caminho para todos. Procurei retratar isso nas músicas. Quando criamos a CUFA, tivemos a oportunidade de praticar o discurso. O projeto todo pratica. Conversar com as pessoas, mostrar a realidade. Não só cantar. Falo e brigo por interesses de outras pessoas. Porque, geralmente, as pessoas que ficam famosas e têm espaço na mídia acham difícil defender. Nós vamos continuar fazendo o que já fazemos há muito tempo, a inclusão da comunidade através da CUFA. Trazendo os problemas para discussão.

CM - Qual a conclusão que tiveram dessa experiência?
MB - Não é caso de polícia, de Justiça. É caso de educação, cultura, oportunidade, igualdade. Nas viagens dos shows tive a sensação de que havia mais de dois brasis. E nós estávamos lidando com os mais descuidados. A realidade do Rio é compartilhada no Brasil inteiro. Quando fiz um show em Minas Gerais, teve um tiroteio com três mortos. Dois de uma comunidade e um de outra. O jornal sequer noticiou. Mas os jornais noticiam um tiroteio em Ipanema sem nenhum ferido. Esse projeto é uma oportunidade de mostrar a vida sendo banalizada. Vimos em todas as nossas cidades os meninos encontrando no tráfico de drogas o caminho para sobreviver. Isso está acontecendo com garotos das periferias de cidades como Porto Alegre e Curitiba.

CM - Como mudar essa realidade?
MB - Não devemos responsabilizar governos. Não é algo de agora, não é culpa do governo atual. Mas essa é a oportunidade para brecar. Acabar é impossível. Nem os EUA conseguiram. Temos que combater a falta de educação, de saúde, de cultura, de conhecimento, de oportunidade. Esse é o momento de todos fazerem uma reflexão para saber onde está indo o Brasil. Se eu fosse o general de um grande exército faria uma grande invasão nas favelas do Brasil. Mas não da forma tradicional. Eu invadiria com as armas da saúde, da educação, da cultura, do conhecimento, da oportunidade, da visibilidade, do desenvolvimento. Essa experiência me mostrou que essas são as armas para combater melhor a violência.




Marco Bastos
Enviado por Marco Bastos em 19/03/2006
Reeditado em 20/03/2006
Código do texto: T125451
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para "http://www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=1583 "). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marco Bastos
Salvador - Bahia - Brasil, 72 anos
1717 textos (87479 leituras)
2 áudios (495 audições)
1 e-livros (791 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:27)
Marco Bastos