Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CORRUPTO É USUARIO. NÃO É CRIMINOSO !

Um dos maiores flagelos sociais dos nosso tempos é, sem dúvida, o vício das drogas. Seja qual for a espécie, a droga é uma devoradora de corpos e almas de jovens e adultos.
Como lidar com este drama ? Proibir ou liberar ? Total ou parcialmente ?

Um exemplo singular de como tratar este problema foi implementado na Holanda, onde foram criadas áreas específicas e delimitadas destinadas ao livre consumo de drogas.Tudo sob a supervisão do Estado, que inclusive fornece de seringas e agulhas descartáveis aos usuários.

No caso da prostituição, adotou-se o mesmo caminho liberal. Existem ruas exclusivas para a prática da mais antiga profissão do mundo, inclusive com a exposição das meninas em grandes vitrines. Vale ressaltar que a prestação de serviços deve ser feita “in loco”, não podendo os consumidores degustar os produtos em outros locais da cidade.

O que isto tudo tem a ver com a corrupção no Brasil? Explico!

Acredito que nós também poderíamos dar um bom exemplo ao mundo, aproveitando a experiência com a droga e a prostituição, feita naquele País Baixo – se eles conhecessem o Brasil, achariam aqui mais baixo ainda - adaptando aquela situação para a prática da corrupção existente no Brasil
Já é notório que o governo tupiniquim perdeu todo e qualquer controle sobre o processo de corrupção no país.  Por isso a minha sugestão seria o Congresso Nacional votar um projeto de lei, ou mesmo o Presidente da República - quando retornar de uma das milhares de viagens - encaminhar uma Medida Provisória,  propondo A CRIAÇÃO DE ÁREAS ESPECÍFICAS PARA A LIVRE PRÁTICA DA CORRUPÇÃO. Seria como uma Zona Franca de Manaus, só que neste caso destinada à produção de falcatruas .

Estes estabelecimentos permitiriam ao corruptor e ao corrupto  encontrarem-se  em horários pré agendados – obviamente, por secretárias que não tenham este péssimo hábito de denunciar seus patrões -  para desenvolver com tranqüilidade e comodidade a lúdica atividade do desvio do dinheiro do povo.

Os prédios em questão teriam grandes vidraças – não, em fumê - objetivando a que todo e qualquer cidadão interessado pudesse acompanhar as negociações. Contariam com proteção policial do lado de fora do local - a polícia deve estar sempre de fora, claro – evitando, assim que ladrões comuns possam atentar contra o patrimônio dos políticos e empresários que estejam participando dos eventos.

A logística a ser implantada nestes locais, virá a alavancar a economia nacional, pois seriam instalados bons restaurantes, um hotel anexo - estas negociatas podem levar dias e são extenuantes para os seus participantes. Casas de massagem seriam imprescindíveis, para os momentos de relax dos indiciados – desculpem,quero dizer dos aliciados.  Toda esta parafernália ajudaria sobremaneira a geração de empregos tão almejada pelo Governo Federal – quem sabe chegaríamos aos 10 milhões de empregos prometidos na última campanha presidencial.
No aspecto da infra-estrutura de informática, existiriam terminais de computador conectados on-line, 24 horas por dia, à todos os ministérios, órgãos públicos e estatais para o acesso instantâneo aos contratos de Licitações e Concorrências Públicas. Tudo isso no intuito de agilizar a escolha dos vencedores e estabelecer o mais rápido possível os valores das propinas.

Seguindo a metodologia da Holanda, o Palácio do Planalto distribuiria a cada participante  das rodadas de corrupção, semanalmente, e de forma gratuita, 02 malas pretas e 10 cuecas  evitando-se assim, a promiscuidade do uso compartilhado.

Nos corredores internos, grandes vitrines exporiam  os corruptos à disposição no momento, facilitando o trabalho dos corruptores que poderiam escolher mais rapidamente o seu canalha para a relação desejada.

Estas medidas trariam um ganho real para a sociedade brasileira pois seriam estabelecidas normas e regras rígidas para o funcionamento das atividades de corrupção, não permitindo que aventureiros e pára-quedistas entrassem na profissão sem qualquer preparo e local adequado para exercê-la. Seria criado um sindicato  visando a regulamentação da profissão de corrupto e corruptor, quando inclusive os postulantes à atividade submeteriam-se a uma prova de avaliação antes do seu ingresso na classe laborial.
Somente a título de sugestão, este sindicato poderia denominar-se : SIFODA – SINDICATO DOS FRAUDADORES DE OBRAS DE ARAQUE, tendo, obviamente,  a sua sede central em Brasília, mas podendo abrir sub-sedes em todas as cidades brasileiras.

Queremos ressaltar que a regulamentação desta atividade, teria ampla repercussão internacional trazendo muitas divisas para o pais, pois aqui aportariam milhares de corruptos de todo o mundo que encontrariam no Brasil um local seguro e profissional para o exercício das suas atividades. Sem contar com milhares de turistas estrangeiros que, já cansados de visitar cassinos e prostíbulos teriam nestes locais uma emoção nova e inusitada.

Um biólogo-político russo, o Dr. Mikhail Pikaretoff, após anos de exaustivas pesquisas de laboratório com uma terrível e degenerada raça de roedores que têm o nome científico de ratos " Parlam Entares ", chegou à conclusão que o corrupto e o corruptor não podem ser tratados como criminosos, mas como vítimas. Segundo o catedrático eles devem ser considerados usuários, e merecem tratamento digno em hotéis de luxo, restaurantes franceses e em casas de massagem suecas.

Compreendo que é difícil para nós, brasileiros, aceitarmos estas novas teorias comportamentais e sociológicas.

Mas, vocês precisam entender que corrupto tem família e também é gente !!!
 

Dionisio Teles
Enviado por Dionisio Teles em 27/03/2006
Reeditado em 27/03/2006
Código do texto: T129217

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Dionisio Teles). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Dionisio Teles
Barueri - São Paulo - Brasil, 64 anos
177 textos (43586 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 00:42)
Dionisio Teles