Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Porão de Minha Casa - Primeiro ato

Às vezes me pego voltando ao passado, mas a um passado bem distante, quando tinha apenas uns três anos. Volto àquele  mundinho de  criança que é   pequeno, mágico e doce, talvez um refúgio de nossa inconsciência  que quisesse  ficar definitivamente por lá. Muitas  imagens permanecem congeladas na memória, permeada dos sonhos que sempre as emolduravam. Sonhos...fantasias, imaginações, visões. E como estivesse lendo eternamente  um livro predileto com uma página sem letras, mas com uma bela figura pintada em cores bem fortes.

 Nessa época, morávamos na  Rua Rio Grande do Sul. A casa passou por umas reformas, mas conserva o mesmo estilo de construção. Sempre que por ali passo,  bate-me aquela saudade da doce infância, quando meu mundo se resumia  a “poucas coisas”: quintal grande, casa  acolhedora e a proteção de meus pais.

Havia um cômodo na casa que eu não me lembro de ter entrado uma única vez. Era um porão que eu achava muito escuro. Eu via meu pai entrar e desaparecer naquele breu. “Que coragem!”, eu pensava.  Ficava, com medo, de longe olhando e esperando pela volta dele. Ficava feliz, quando ele aparecia. Quase sempre trazia alguma coisa que ali  guardava:. ora uma ferramenta, ora um pedaço de madeira.

 Eu ouvia dizer que alguns morcegos moravam naquele cômodo. Era um lugar misterioso e tenebroso para uma menina tão pequena.




     
fernanda araujo
Enviado por fernanda araujo em 27/03/2006
Reeditado em 27/03/2006
Código do texto: T129459
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
fernanda araujo
Divinópolis - Minas Gerais - Brasil
1058 textos (204284 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 18:45)
fernanda araujo