Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ALICE & BACO BACANA NO PAÍS DA BANANA

ALICE RESOLVEU DAR UM TEMPO & parou pra tomar um trago com um cara estranho com um chapéu meio barroco & roupas saídas de algum bazar hans staden & lá pelas tantas da madrugada ela apanhou um manuscrito empoeirado em algum canto & sussurrou coisas impublicáveis, dizendo entretanto, que quem estava dramatizando o papel era eu. Imagina só: Fulano, Beltrano & Ciclano jamais aprovaram alguém com menos de um metro & sessenta falando coisas sérias & é claro que isso exclui as atrizes senão, o que seriam das lagartixas? A bem da verdade, coca-cola & macieira é uma mistura perturbadoramente infernal & dá fluidez ao espírito. Alice subiu no primeiro carro que surgiu, desconsolada com leituras dramáticas & cantadas baratas: desconfio que o fez por uma saudade danada do cheiro das glicínias na primavera & qualquer dia desses é capaz de tornar-se uma roira perfidamente sutil, ao som de uma rumba louca em pleno carnaval. Era uma vez nos anos cinqüenta & lá se foi a turma mais animada que se tem notícias. Quando o Estranho Simpático adentrar no Saloon Grunge, já irá longe a gaivota psicodélica que jamais fez verão acompanhada da salada insosa & desvairada em que se tornou as cabeças pensantes dessa cidade. Ao fim da noite, sucumbo ao sabor da felicidade & acqua fresca ao lado de um corpo claro & satisfeito & confabulo olhando pro teto quadriculado a procura de estórias & achando que todos chegaram (sempre chegam) a alguma definitiva conclusão: depois da invenção da roda, o que realmente faz a diferença é a banana.

[do livro “Estrangeiro” a ser lançado “só Deus sabe quando…”]

_________________________________________________________

Esse conto refere-se ao carnaval de 93, quando o SESC lançou como tema: “Baco Bacana no País da banana. Daí  título do conto. Era um típico carnaval de salão, com banda ao vivo, decoração lúdica e uma enorme mesa onde foram servidos frutas tropicais. Um conto com o bom humor que permeava as mesas do bar grounge 26º no final das noites e à Alice, metáfora de uma paixão quase secreta. HÁ TEMPOS SÃO OS JOVENS QUE ADOECEM...


Wallace Puosso

LEIA MAIS SOBRE O AUTOR:
http://celebreiros.zip.net
Wallace Puosso
Enviado por Wallace Puosso em 30/03/2006
Reeditado em 13/04/2009
Código do texto: T131026

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wallace Puosso
São José dos Campos - São Paulo - Brasil
42 textos (1362 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 10:15)
Wallace Puosso