Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CENA EM RELEVO, RETRATO EM SÉPIA

SEVERINO ANDAVA TRANQUILO por uma rua qualquer, olhar perdido, cantarolando uma canção qualquer, dessas sem verso nem refrão. Severino padrão, igual a tantos outros que perambulam pelas ruas. De repente impulsionado por nada dobrou uma esquina, oitocentos metros depois outra & três casas depois adentrou sorrateiro por uma porta suspeita, dessas com tinta descascada & faltando número, subiu apressado quatro lances de escada & num corredor com lâmpada queimada entrou num quarto suspeito, abriu uma cachaça barata, dessas com tampinha e nome esquisito, ligou no jornal das oito & enquanto cid  moreira centenário & absoluto discorria sobre os males do homem, Severino enforcou-se com a gravata nova no encanamento do banheiro malcheiroso e num canto da boca um sorriso: teria enfim a paz, seria enfim feliz, ele que quase conseguiu, quase se formou, quase se casou, quase venceu, quase subiu na vida, quase conseguiu ser ele mesmo, Severino com um quase sobrenome como tantos outros severinos quase gente em meio ao buraco negro da cidade grande, ele um quase severino.


[WALLACE PUOSSO, do livro “Estrangeiro”]


LEIA MAIS SOBRE O AUTOR:
http://celebreiros.zip.net
Wallace Puosso
Enviado por Wallace Puosso em 31/03/2006
Reeditado em 13/04/2009
Código do texto: T131491

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wallace Puosso
São José dos Campos - São Paulo - Brasil
42 textos (1362 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 12:04)
Wallace Puosso