Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Algumas Confissões de um Escritor - Parte - 2: Plantações e Colheitas Literárias


O ofício de escritor não é nada fácil, requer sacrifícios, renúncias e muito amor. Antes de ingressar no mundo da Literatura, não sabia que era tão complexo. O leitor não sabe quantas fases percorre uma obra de ficção para ficar pronta. A criação é só a primeira fase, depois vem a revisão do manuscrito, a digitação, a revisão do material digitado, a capa, o sumário, o prefácio, o posfácio, as ilustrações, dentre outras fases. Só depois de tudo isso é que se pode enviar o material para a editora, não sem antes registra-lo, é claro; senão o escritor pode perder todo o seu esforço por causa da malandragem de alguém.

No entanto, percebi que não existe coisa melhor para um artista do que contemplar a sua obra pronta, perfeita. Isso vale para o pintor, para o escultor, para o compositor, para o arquiteto e evidentemente para o escritor, talvêz o que mais sofra na elaboração e o que mais se angustie para ver o resultado do seu trabalho. Mas as horas e os dias perdidos são válidos, de fato é um investimento na eternidade, na consagração tão almejada. Existe algo mais satisfatório para um escritor do que ele chegar numa livraria e manusear um livro que ele produziu? E perceber que pessoas de todos os níveis sociais folheiam a sua obra, divertem-se, entristecem-se, ou aprendem algo que lhes será proveitoso?

Para o escritor esse é o verdadeiro êxtase, o verdadeiro paraíso. E isso lhe basta.
Fábio Pacheco
Enviado por Fábio Pacheco em 08/04/2006
Reeditado em 09/04/2006
Código do texto: T135972
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fábio Pacheco
Recife - Pernambuco - Brasil
1095 textos (55957 leituras)
10 áudios (233 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 17:30)
Fábio Pacheco