Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cara de Tacho

Com o dinheiro curto, diversão para as crianças, aos sábados, só tinha um endereço: Praça do Santuário. À tardinha, o Rodrigo e o Lúcio ( 5 e 4 anos, respectivamente) não tinham preguiça de tomar o banho, tendo em vista o passeio, esperado com ansiedade a semana inteira. Um velho e bem cuidado fusquinha era a nossa condução.Enquanto eu ficava na Praça com eles, o Antônio assistia à missa no Santuário. Costumávamos trocar, às vezes, de “tarefas”, mas como os meninos eram muito irrequietos, eu preferia ficar com eles na pracinha.
 
A partir das 18 horas o vai-e-vem era intenso. Casais de namorados tomavam conta dos bancos e trocavam beijos ardentes, alheios aos olhares dos passantes curiosos. Jovens pais e mães levavam seus filhinhos para jogar pedaço de pão ou pipoca para os peixinhos vermelhos que ficavam, ali, no lago artificial. Havia barracas que vendiam cachorro-quente, algodão-doce, churros recheados, pipoca branca e colorida, churrasquinho, batata frita e maçã-do-amor. No verão – com aquelas noites quentes – parece que Divinópolis em peso
estava ali, marcando presença!
Os bancos eram poucos pra tanta gente, mas uma vez até que tivemos sorte. Vaga para três, se ficássemos bem juntinhos, uma vez que o rapaz ali sentado, era uma “fortaleza”! Fiquei na outra ponta e coloquei as crianças sentadas no meio. Esse tranqüilo cenário pouco tempo durou. De repente, foi aquela “revoada”. De uma vez eles se foram, como uma flecha, desaparecendo como por encanto. E eu fiquei com o espanto. Fiz menção de levantar-me, justamente na hora que por ali passava o João Silvério, um primo de minha prima Teresinha. Conhecia-o por esse parentesco, mas não chegamos nunca a conversar. Eu nem posso imaginar o que passou na cabeça dele naquele instante: o que eu estaria fazendo ali, à noite, sozinha, sentada num banco da pracinha ao lado daquele rapaz! Não sabia que atitude tomar. Se saísse (à procura dos meninos) , não mudaria a situação e ainda perderia a tão disputada vaga no banco. Ele olhou-me e seguiu o seu caminho. As crianças logo voltaram e ficaram por ali brincando.
Mas eu já estava com "cara de tacho"!

P.S.: Depois de trinta e cinco anos, na Biodança, encontro eu com o João Silvério (ele é um grande músico e bem conhecido na cidade) e tive a oportunidade de com ele conversar. Relatei-lhe o fato, porque me considero atualmente com carta branca e posso falar o que bem entendo. Ele me tranqüilizou  e disse  que nada de mal pensou de mim! Oh, João!



fernanda araujo
Enviado por fernanda araujo em 09/04/2006
Código do texto: T136213
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
fernanda araujo
Divinópolis - Minas Gerais - Brasil
1058 textos (204318 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:34)
fernanda araujo