Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A boa vida dos professores

Crônicas da Vida Real
Augusta Schimidt


A boa vida dos professores

Eu não sou preconceituosa... nunca fui... nem com raça, nem com a cor, nem com a riqueza e muito menos com a pobreza. Principalmente se o pobre for limpinho.
Mas eu não vou agüentar. Preciso falar, escrever, gritar o dia que hoje vivi.
As palavras estão agitadas, saltando aqui entre meus dedos.

Pobre dos pobres brasileiros!

O cenário, claro que era um Posto de Saúde. Mas não era um posto de atendimento comum não, daqueles que você chega às 5 da manhã e vai se amontoando pra ser atendido as 9 h.
Era um posto de atendimento para Perícia Médica de funcionários públicos do Estado. Perícia de aposentadoria, de licença médica e de admissão ao trabalho.
Até que pelos padrões de qualidade do Brasil estava dentro. Médico só 40 minutos atrasado, umas 20 professoras esperando, desoladas, desempregadas, com crianças a tira-colo por não ter onde deixar seus filhos, ( professor não tem dinheiro pra pagar escola particular e as creches do município estão lotadas), papelada na mão e o coração, só por Deus pois o calor ali era de doer a alma.
Ventilador? Não, não tinha, esqueceu que era um estabelecimento do Estado só pra fazer perícia nos professores?
Lugar pra sentar... não tinha, água pra beber... nem pensar, crianças correndo e gritando, irritadas por terem que ficar presas ali naquele cubículo que mais parecia uma caldeira prestes a explodir... umas 6.
Eu não disse? Tudo absolutamente normal para os nossos padrões.
Ah! Claro que não estou falando mal do meu Brasil. Sou adepta daquela famosa frase: “ Cada povo tem o governo que merece”!
Também não estou falando de Lula. Estou falando de governo do Estado de São Paulo. É esse mesmo que querem que seja o próximo presidente. Esse primor de homem honesto, culto, que só diz a verdade acima de tudo. Esse que tem faculdade e tem até o insípido apelido de picolé de chuchu.
Esse que foi à televisão e em rede nacional contou pra todo mundo que a nossa educação é de primeiro mundo. Que pagou um bônus de $10.000,00 aos professores. Que fez um acordo com a Nossa Caixa e com uma concessionária de carros da marca Wolks para que o professor que fosse financiar um carro só teria liberado o empréstimo se o carro fosse comprado na referida loja.
De minha parte tudo bem, não votei nele e nunca votarei. Mas que ainda estou procurando meu bônus de $ 10.000,00 estou.
Falo ainda desse mesmo ex patrão que nos paga o mísero salário de 675,00 por 5 horas de trabalho na periferia com salas de até 40 crianças analfabetas que chegam à quarta série sem saber escrever seu nome completo. Essa é a nossa educação de primeiro mundo.





Mas voltando ao posto...
Na verdade minha perícia estava marcada pra sexta-feira ao meio dia. Estive lá, claro, mas fui reprovada por conta de uma angina em 2004 e um pico elevado de pressão.
O médico que me atendeu me mandou tomar remédio, fazer repouso e voltar na segunda.
Foi o que fiz e hoje as 14 h estava lá firme e forte.
O especialista em assinaturas de laudos, ops... em perícias, sequer me olhou. Leu minha ficha e somente me perguntou se estava tomando algum medicamento.
O diálogo foi mais ou menos assim:
- A senhora teve angina né?
- Sim senhor, em 2004
- Ficou de licença?
- Sim, 20 dias
- A senhora está tomando o que?
- Propanolol 40
- Ah! Então nem vou medir a sua pressão pois tenho absoluta certeza de que tomou agora antes de vir pra cá.
Aí ele se dignou a me mostrar seus olhos que não eram azuis.
- A senhora faz uso dos óculos faz tempo?
- Sim, desde menina
- Tudo bem então, estou aprovando seu laudo.
Ufa!!!! Que alívio!!!!
Sem o laudo não posso trabalhar pra ganhar o polpudo salário de 675,00 e nem os 20 tickets de 4,00 cada um.

Pobre pobres do meu Brasil...

Campinas, 10/04/2006
Augusta Schimidt
Enviado por Augusta Schimidt em 11/04/2006
Código do texto: T137142

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Augusta Schimidt
Campinas - São Paulo - Brasil, 66 anos
366 textos (532196 leituras)
4 e-livros (6968 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 13:11)
Augusta Schimidt

Site do Escritor