Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sem título algum

O corpo pálido velejava solitário e sem encanto na consciência azul negro do mar. A cada momento afundava sem esperança, arremeçado por frios sentimentos rumo ao próprio esquecimento agonizante como uma auto-destruição. Sentia-se despedaçado e ao mesmo tempo untado pela vontade única do coração. Estava perdido no labirinto de sua própria mente e quanto mais buscava a saída, mais se perdia e se esquecia de quem fora em toda sua vida. Via-se completamente indiferente às cenas mais absurdas, e chegou no ponto mais alto do seu desconhecido. Onde estavam seus sentimentos? Talvez refugiados dentro de si, mas o labirinto já havia se fechado e encolhido até engolir a si mesmo e, agora, ele não passava de um vago olhar se olhando na frente de um espelho.
Quem sou eu?
E seu corpo afundava desesperadamente, se desfazendo do cálido encanto.    
Calor do cão
Enviado por Calor do cão em 12/04/2006
Código do texto: T137985
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Calor do cão
Salvador - Bahia - Brasil, 28 anos
127 textos (9777 leituras)
1 e-livros (39 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 08:52)