Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DEBOCHE

DEBOCHE
(Autor: Antonio Brás Constante)

O deboche é a mais cruel brincadeira inventada pelo homem em sociedade. Apesar de querer ser exatamente isto: “uma brincadeira”, muitas vezes se transforma em um torturante jogo de palavras e insinuações, onde a vítima passa pela agonia de se tornar o foco da atenção de determinado algoz.

Apesar de ser bem normal nos dias de hoje. O deboche é um ato desumano. A pessoa que debocha acaba infligindo ao seu semelhante o veneno de suas frases, recheadas de ironia. Levando a outra pessoa ao ridículo de se tornar o alvo das risadas de um determinado grupo, que pode ser de amigos, colegas de serviço, de colégio, etc.

O que mais magoa o debochado, é que o autor do deboche em muitos casos, é alguém intimo a ele. Seu marido, irmão, filho, progenitor, entre outras pessoas próximas de si. Ou seja, alguém que deveria protege-lo. Um ente amado, que lhe fere com palavras maquiadas em tons de brincadeira.

Quem sofre estas zombarias tem duas saídas. Ou aceita aquela situação e sua triste sina, ficando cada vez mais isolado em sua amargura, achando que aquilo que dizem de si é verdadeiro e que nada pode ser feito para mudá-lo. Abrindo a cada gargalhada alheia, novas e profundas feridas em seus sentimentos, tornando-se uma pessoa profundamente infeliz.

       Ou pode utilizar todas aquelas pedras jogadas no âmago de seus sentimentos, como degraus para sair do poço de sofrimento em que se encontra, deixando de ficar posando de pobre-coitado, para ir rumo ao seu lugar ao sol.

       A partir dessa decisão, levanta a cabeça e passa a enfrentar e superar as deficiências que lhe colocam na mira dos gozadores, se aprimorando cada vez mais sobre aquilo que não dominava, até conseguir vencer suas limitações.

     Quando isto acontece, acaba-se o combustível das criaturas que se divertem às suas custas. E sem poderem mais lhe ridicularizar, perdem o próprio brilho de sua maldade.
Isto não acontece de uma hora para outra, é uma luta árdua que deve ser travada principalmente de forma interna contra sua própria insegurança, pois esta é a sua pior inimiga, deixando a mostra suas incertezas. Fruto que alimenta os tais “brincalhões de plantão”.

Mas o melhor de tudo, é que os “espertos” por estarem sempre se achando os maiorais, não percebem esta mudança, e ao tentarem lhe acertar com suas farpas verbais, acabam se deparando com uma nova pessoa, que consegue jogar por terra suas insinuações, fazendo o feitiço virar contra o feiticeiro.

E então, enquanto as nuvens flutuam, as flores desabrocham, a Terra gira e os pássaros cantam, a justiça poética se faz prevalecer e um sorriso de vitória passa a iluminar seus lábios com o doce sabor desta conquista.

(SITES: www.abrasc.pop.com.br e www.recantodasletras.com.br/autores/abrasc)

NOTA DO AUTOR: Divulgue este texto para seus amigos. (Caso não tenha gostado do texto, divulgue-o então para seus inimigos).

Antonio Brás Constante
Enviado por Antonio Brás Constante em 17/04/2006
Reeditado em 30/10/2006
Código do texto: T140791
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antonio Brás Constante
Canoas - Rio Grande do Sul - Brasil, 100 anos
399 textos (85264 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 12:18)
Antonio Brás Constante